Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Vice-chanceler da Rússia na ONU diz que Moscou e Kiev estão longe de negociações de paz

© AP Photo / John MinchilloVice-chanceler russo na Organização das Nações Unidas (ONU), Dmitry Polyanskiy fala a jornalistas na organização, em 19 de abril de 2022
Vice-chanceler russo na Organização das Nações Unidas (ONU), Dmitry Polyanskiy fala a jornalistas na organização, em 19 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.08.2022
Nos siga noTelegram
Dmitry Polyanskiy, vice-chanceler da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU), declarou que há relutância por parte de Kiev em negociar um acordo de paz com Moscou.
Segundo o diplomata, a Ucrânia não está sinalizando sua prontidão para abordar com responsabilidade as negociações com a Rússia.
As declarações dele foram dadas ao podcast The Dive nesta sexta-feira (5).
"Quanto às negociações de paz, a Ucrânia não nos dá nenhum sinal de que tem uma posição responsável. Eles têm algumas demandas que não podem ser colocadas na mesa durante negociações sérias. Portanto, ainda estamos longe [das negociações]", afirmou.
Ex-chanceler Celso Amorim em sua residência no Rio de Janeiro, em 28 de dezembro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 02.08.2022
Notícias do Brasil
Ucrânia: OTAN precisa de inimigos para existir e Rússia se sente eleita para isso, diz Celso Amorim
De acordo com Polyanskiy, a Ucrânia só faz declarações políticas e teóricas sobre uma suposta prontidão para negociar com a Rússia.

"[Eles dizem] que eles estão prontos para negociar quando a Rússia retirar suas tropas, ou seja, até mesmo de Donbass e da Crimeia, o que é ridículo em si. Portanto, ainda não temos parceiros reais [nas negociações com a Ucrânia], então a operação militar especial continua", acrescentou o vice-chanceler russo.

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, em viagem pela Ásia - Sputnik Brasil, 1920, 05.08.2022
Panorama internacional
Diplomata chinês aponta para o envolvimento dos EUA nas situações da Ucrânia e de Taiwan
Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o Ocidente não permitiria que a Ucrânia encontrasse uma saída diplomática para a situação atual.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, enfatizou anteriormente que Moscou não está abandonando as negociações de paz sobre a Ucrânia, mas quanto mais tarde elas começarem, mais difícil será negociar.
O porta-voz da Presidência da Rússia, Dmitry Peskov, afirmou que a demanda por iniciativas para pacificar a situação na Ucrânia no Ocidente diminuiu, mas que, mais cedo ou mais tarde, o bom-senso prevalecerá e a virada de negociações virá, antes das quais Kiev terá que entender as condições da Rússia e concordar com elas.
A Rússia lançou uma operação militar na Ucrânia em 24 de fevereiro. O presidente Vladimir Putin declarou que o objetivo da ação é "proteger as pessoas que foram submetidas ao genocídio pelo regime de Kiev por oito anos".
De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, em 25 de março, as Forças Armadas concluíram as principais tarefas da primeira etapa ao reduzir significativamente o potencial de combate da Ucrânia. O principal objetivo foi libertar Donbass.
Presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, durante coletiva de imprensa com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em Kiev, 20 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 05.08.2022
Panorama internacional
Kiev não vai realizar contraofensiva este ano por não ter armas suficientes, diz Financial Times
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала