Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Rússia não exclui que Austrália obtenha armas nucleares no âmbito do AUKUS

CC BY 2.0 / Flickr.com / John Narewski / Marinha dos EUA / Handout / Submarino nuclear USS Indiana (SSN 789) da classe Virginia, dos EUA (imagem referencial)
Submarino nuclear USS Indiana (SSN 789) da classe Virginia, dos EUA (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 06.08.2022
Nos siga noTelegram
O acordo de fornecimento de submarinos nucleares entre a Austrália, EUA e Reino Unido encerra o perigo de instalação de armas nucleares no território da primeira, segundo a chancelaria da Rússia.
O problema com o pacto AUKUS é a possibilidade de posicionamento de armas nucleares na Austrália, um Estado não nuclear, disse no sábado (6) Igor Vishnevetsky, vice-diretor do Departamento de Não-Proliferação e Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.
"O problema está no fato de que a parceria prevê a construção de infraestrutura militar dos Estados nucleares no território de um Estado não nuclear. Existe a possibilidade de que no futuro lá [na Austrália] sejam implantadas armas nucleares, mesmo não as entregando sob o controle de Camberra, à semelhança da Bélgica, Alemanha, Itália, Países Baixos e Turquia", disse aos repórteres Vishnevetsky.
No geral, ainda restam muitas questões sobre o AUKUS, e os participantes do projeto, a Austrália, EUA e Reino Unido, terão que responder a elas, acrescentou ele.
Submarino norte-americano da classe Virginia SSN 774 USS (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 05.08.2022
Panorama internacional
Ocidente tenta usar acordo AUKUS para promover interesses da OTAN no Indo-Pacífico, diz Lavrov
Em meados de setembro de 2021, Camberra firmou com Londres e Nova York o AUKUS, uma parceria para receber submarinos nucleares, e anunciou sua retirada de um acordo semelhante de US$ 90 bilhões (R$ 470 bilhões) com a França, que previa a produção de 12 submarinos de ataque da classe Barracuda. A situação foi resolvida desde então, mas Jean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores francês, chamou na época a decisão da Austrália uma "facada nas costas".
O pacto tem sido visto como dirigido contra a China, com Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, declarando na sexta-feira (5) que ele promove os interesses da OTAN no Indo-Pacífico. A Indonésia expressou preocupações com a possibilidade de proliferação da tecnologia de propulsão naval nuclear, enquanto em junho a China instou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a investigar essa capacidade.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала