Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China pede aos EUA para que reduzam seu arsenal nuclear

© AP Photo / Dmitry LovetskyUrânio retirado de armas nucleares russas segue em direção aos EUA para ser utilizado como fonte de energia elétrica, em parceria chamada "Megatons por Megawatts", em 2013
Urânio retirado de armas nucleares russas segue em direção aos EUA para ser utilizado como fonte de energia elétrica, em parceria chamada Megatons por Megawatts, em 2013 - Sputnik Brasil, 1920, 05.08.2022
Nos siga noTelegram
A China pediu aos Estados Unidos que mostrem responsabilidade como potência mundial e reduzam significativamente seu arsenal nuclear, disse Ding Tongbing, diretor de divisão do Departamento de Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da China.
A fala foi dada durante a Conferência de Revisão do Tratado de Não Proliferação (TNP) de armas nucleares, nesta quinta-feira (4).
As bandeiras dos estados da ONU, dentre elas, a do Brasil, tremulam em frente ao prédio do Centro Internacional com sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena, Áustria, 24 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 03.08.2022
Panorama internacional
Secretaria da ONU se recusou a aprovar visita de agência reguladora à maior usina nuclear da Europa
Ding enfatizou que os Estados Unidos tinham um enorme arsenal de armas nucleares e isso representava uma ameaça à paz e segurança internacionais.
"A China insta os Estados Unidos a mostrarem concretamente a responsabilidade e a se comprometerem com uma redução substancial e substantiva de seu arsenal nuclear de maneira irreversível e verificável. Somente assim, os Estados Unidos restaurarão a confiança da comunidade internacional", disse o diplomata chinês.
Ele também pediu aos Estados Unidos que mudem sua abordagem em relação à política externa, conduzam-na com base no respeito mútuo e desenvolvam um diálogo produtivo com a China para criar as condições necessárias para as negociações sobre controle de armas.
Arquivo: usina de carvão operada pela gigante de energia francesa Électricité de France (EDF, na sigla em francês) é retratada em Le Havre, noroeste da França, 10 de janeiro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 03.08.2022
Panorama internacional
Empresa estatal francesa de energia pode reduzir produção de energia nuclear devido ao clima quente
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала