Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Em raro movimento militar, Austrália responde às tensões na Ásia-Pacífico

© AFP 2022 / ROSLAN RAHMANOs caças F16C/D e F-15SG da Força Aérea da República de Cingapura (RSAF, na sigla em inglês) realizam um sobrevoo da Formação Delta para marcar o 50º aniversário da formação dos Cinco Acordos de Defesa de Energia (FPDA, na sigla em inglês) - envolvendo os países-membros Austrália, Malásia e Nova Zelândia , Cingapura e Reino Unido - em Cingapura, 18 de outubro de 2021
Os caças F16C/D e F-15SG da Força Aérea da República de Cingapura (RSAF, na sigla em inglês) realizam um sobrevoo da Formação Delta para marcar o 50º aniversário da formação dos Cinco Acordos de Defesa de Energia (FPDA, na sigla em inglês) - envolvendo os países-membros Austrália, Malásia e Nova Zelândia , Cingapura e Reino Unido - em Cingapura, 18 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 03.08.2022
Nos siga noTelegram
Camberra vai realizar a primeira grande revisão da prontidão militar de suas forças em anos.
Nesta quarta-feira (3), a Austrália anunciou que vai realizar uma Revisão Estratégica de Defesa de suas Forças Armadas pela primeira vez em uma década. Isso ocorre em meio ao aumento das tensões na Ásia-Pacífico em torno da visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan, feita apesar das advertências chinesas.
Durante coletiva de imprensa em Camberra, o primeiro-ministro Anthony Albanese disse que a revisão visa "preparar a Austrália para responder eficazmente ao ambiente estratégico regional e global em mudança e garantir que a capacidade e a estrutura de força da Defesa sejam adequadas ao propósito, acessíveis e forneçam o maior retorno sobre o investimento".
A revisão vai definir a postura de defesa do país por aproximadamente uma década e vai ser liderada por um ex-ministro da Defesa e Relações Exteriores, o professor Stephen Smith, juntamente com o ex-chefe da Força de Defesa Angus Houston.
Ainda na mesma coletiva, Houston explicou que as circunstâncias de segurança "mudaram drasticamente no passado recente" e se tornaram as piores que ele já viu em sua "carreira e vida".
Submarino norte-americano da classe Virginia SSN 774 USS (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022
Panorama internacional
Reino Unido quer implantar submarinos nucleares na Austrália para conter China na região, diz mídia
"Uma guerra terrestre na Europa, todos os tipos de problemas no nordeste da Ásia, particularmente em torno de Taiwan, leste do mar da China, problemas no sudeste da Ásia e problemas na fronteira do Himalaia e no norte da Índia", explicou ele, mencionando também as "tecnologias disruptivas entrando no jogo" como outra ameaça à segurança.
Quando questionado sobre a importância dessa revisão no contexto "de uma China mais beligerante na região", o primeiro-ministro explicou que o contexto é "bem conhecido".
"Vivemos em uma época em que há competição estratégica e tensão crescente em nossa região. E onde a China assumiu uma postura mais agressiva na região", disse Albanese.
Ele acrescentou, porém, que quando se trata de Taiwan, a posição do governo australiano não mudou. A Austrália apoia o princípio de Uma Só China, mas mantém laços diplomáticos não oficiais com Taiwan por meio de escritórios de representação e instituições que funcionam como embaixadas e consulados de fato.
"Não queremos ver nenhuma mudança unilateral no status quo. E continuaremos a trabalhar com parceiros para promover a paz e a estabilidade em todo o estreito de Taiwan", disse ele.
Submarino de ataque rápido USS Missouri (SSN 780), da classe Virginia, saindo da base conjunta de Pearl Harbor-Hickam para uma implantação programada na zona da responsabilidade da 7ª Frota, em imagem fornecida pela Marinha dos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 01.08.2022
Panorama internacional
EUA dizem que submarinos da Austrália sob AUKUS são movidos e não armados com energia nuclear
No ano passado, o então ministro da Defesa, Peter Dutton, alertou que um conflito em torno de Taiwan envolvendo a China não pode ser descartado. Ele ressaltou, no entanto, que o governo está focado em ter "boas relações" com Pequim.
O relacionamento da Austrália com a China vem se deteriorando drasticamente desde o ano passado. Camberra condenou a decisão de Pequim de assinar um pacto de segurança com as Ilhas Salomão, uma nação do Pacífico localizada a cerca de 1.700 km da costa nordeste da Austrália. A Austrália afirmou que a China quer usar o acordo para estabelecer uma base militar na área – algo que Pequim nega. O novo governo trabalhista da Austrália prometeu "intensificar" a presença do próprio país no Pacífico, depois de tornar a China um grande tema de campanha durante as recentes eleições.
A China, por sua vez, vem acusando a Austrália e seus parceiros de incentivar uma "corrida armamentista" na região do Pacífico Sul. Em maio, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que o governo australiano não consultou seus outros parceiros no ano passado quando revelou o acordo AUKUS, um pacto de segurança envolvendo Austrália, Reino Unido e EUA que abre caminho para Camberra adquirir submarinos movidos a energia nuclear e um possível precedente para armamento nuclear.
A revisão também vai considerar como as capacidades da Austrália podem funcionar em cooperação com os Estados Unidos, o Reino Unido e outros parceiros importantes.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала