Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

NYT: existe uma 'desconfiança profunda' entre EUA e Zelensky

© AP Photo / Evan VucciPresidente Joe Biden se encontra com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, EUA, 1º de setembro de 2021
Presidente Joe Biden se encontra com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, EUA, 1º de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 02.08.2022
Nos siga noTelegram
Autoridades dos EUA estão mais preocupadas com a liderança da Ucrânia do que reconhecem publicamente, diz Thomas L. Friedman, colunista do jornal The New York Times (NYT).
Publicado originalmente no NYT e em alguns jornais do Brasil, como no O Globo, o artigo do colunista Thomas L. Friedman expôs, nesta terça-feira (2), a "profunda desconfiança" entre o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky.
O autor aponta que os EUA têm sido até agora o maior apoiador da Ucrânia em seu conflito com a Rússia, fornecendo bilhões de dólares em ajuda militar, além de seus serviços de inteligência, conforme denunciado também pelas autoridades russas.
Envio de recrutas do Regimento Azov para a zona de conflito no sudeste da Ucrânia - Sputnik Brasil, 1920, 01.08.2022
Panorama internacional
Voluntário francês na Ucrânia: 'Testemunhei a encenação em Bucha'
Apesar do apoio, o colunista enfatiza que as relações entre Washington e Kiev não são tão boas como deveriam parecer. Segundo ele, "as autoridades americanas estão muito mais preocupadas com a liderança da Ucrânia do que estão deixando transparecer".
"Há uma profunda desconfiança entre a Casa Branca e o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, consideravelmente mais do que foi relatado", escreveu.
O escritor do NYT descreveu a decisão de Zelensky de demitir a procuradora-geral, Irina Venediktova, e o chefe do Serviço de Segurança do Estado (SBU), Ivan Bakanov, em meados de julho, como "um negócio engraçado acontecendo em Kiev".
O diplomata brasileiro Celso Amorim durante coletiva de imprensa no seminário Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar, em São Paulo, em 13 de setembro de 2018 - Sputnik Brasil, 1920, 01.08.2022
Notícias do Brasil
Celso Amorim: para resolver crise na Ucrânia, objetivo deve ser chegar à paz, e não debilitar Rússia
O tom de deboche, explica ele, ocorre porque não existe nenhuma reportagem na mídia americana que "explicasse de forma convincente" as razões por trás da maior mudança no governo de Kiev desde o lançamento da operação militar russa, em 24 de fevereiro.

"É como se não quiséssemos olhar muito de perto sob o tapete em Kiev, por medo da corrupção ou das artimanhas que poderemos ver, após termos investido tanto lá", escreveu ele.

O artigo foi publicado antes da visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, à ilha chinesa de Taiwan, que Friedmn criticou como uma medida que seria "totalmente imprudente, perigosa e irresponsável".
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала