Transnístria quer manter forças de paz até fim do conflito com Moldávia, garante autoridade

© Sputnik / Sergei Kuznetsov / Abrir o banco de imagensPacificadores russos na Transnístria (foto de arquivo)
Pacificadores russos na Transnístria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
Nos siga noTelegram
A Transnístria está interessada na presença de forças de paz na região até a resolução final do conflito com a Moldávia, disse à Sputnik Oleg Belyakov, co-presidente da Comissão de Controle Conjunto (JCC, na sigla em inglês — órgão coletivo de governo da operação de paz).
"Para nós, uma operação de paz é o único meio de garantir a paz e a segurança em nossa região, criando condições favoráveis ​​e necessárias para o processo de negociação", disse Belyakov.
A autoridade garantiu ainda que a Transnístria "fará de tudo para que ninguém desacredite a operação conjunta", nem interfira nas forças de paz.
Esta sexta-feira (29) marca o 30º aniversário do início da operação de manutenção da paz na Transnístria. A paz na zona do conflito da Transnístria é apoiada por uma força conjunta, que inclui 402 militares russos, 492 transnístricos e 355 moldavos, além de dez observadores militares da Ucrânia.
Os militares servem em 15 postos fixos e de controle localizados em áreas-chave da zona de segurança.
A Transnístria, cujos habitantes são 60% russos e ucranianos, buscou a secessão da Moldávia antes mesmo do fim das antigas União das Repúblicas Socialistas Sov­­­­­­­­­­­­­­­iéticas (URSS), temendo que, na onda de nacionalismos, a Moldávia se juntasse à Romênia.
Em 1992, após uma tentativa fracassada das autoridades moldavas de resolver a questão à força, a Transnístria tornou-se praticamente um território não controlado por Chisinau.
CC BY-SA 2.0 / Clay Gilliland / A fronteira entre Transnístria e Moldávia
A fronteira entre Transnístria e Moldávia - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
A fronteira entre Transnístria e Moldávia. Foto de arquivo
Na semana passada, a chancelaria da Rússia informou que forças russas estavam sendo impedidas na fronteira de chegar à Transnístria, com o objetivo enfraquecer a presença do contingente de paz.
No aeroporto de Chisinau, guardas fronteiriços da Moldávia detiveram oficiais russos que se dirigiam à república para reforçar o contingente de manutenção de paz, de acordo com Aleksei Polischuk, diretor do segundo departamento da Comunidade de Estados Independentes do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.
Segundo o funcionário, as razões para as detenções não foram explicadas.
Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN (no centro), em coletiva de imprensa com Pekka Haavisto (à esquerda) e Ann Linde (à direita), ministros das Relações Exteriores da Finlândia e da Suécia, respectivamente, na sede do bloco militar, em Bruxelas, Bélgica, 24 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Panorama internacional
Medvedev: Rússia terá reação assimétrica a ameaças ligadas à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала