Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Expansão militar dos EUA na Ásia-Pacífico busca fazer frente à união da Rússia-China, diz acadêmico

© Foto / Public domain / Master Sgt. Alejandro LiceaMilitares dos EUA no sudeste do Afeganistão
Militares dos EUA no sudeste do Afeganistão  - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
Nos siga noTelegram
A Guarda Nacional dos EUA está considerando intensificar seus programas de treinamento com os países da região Ásia-Pacífico a fim de impulsionar a presença militar americana nesta área, disse o general Daniel Robert Hokanson, chefe da Guarda Nacional, ao portal Defense One.
"Isso tem uma enorme e urgente relevância para a política dos EUA em relação à China, uma vez que ultimamente ela se tornou muito mais dura e mais conflituosa", afirma Dmitry Suslov, vice-diretor do Centro russo de Estudos Europeus e Internacionais da Escola Superior de Economia - Universidade HSE.

"Desde a escalada da crise ucraniana, os EUA intensificaram significativamente a sua abordagem de confronto em relação à China, não reduziram, pelo contrário, aumentaram. Os EUA não fazem segredo de que consideram a China um adversário estratégico, um país que pode minar a primazia global americana, destruir o modelo de ordem internacional que beneficia os EUA e tem os americanos em seu centro", acrescentou especialista russo.

De acordo com a Associated Press, nos últimos meses os líderes dos EUA têm intensificado os contatos na região de Ásia-Pacífico, incluindo visitas de representantes americanos de alto perfil tais como o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, e do secretário de Estado, Antony Blinken.
"Os EUA acreditam que a operação militar especial da Rússia na Ucrânia pode abrir um precedente para um comportamento semelhante por parte da China, e a China também poderia recorrer a soluções militares para resolver seus problemas de segurança nacional, em particular, Taiwan", frisa Suslov.
Nesta foto fornecida pela Marinha dos EUA, o USS John S. McCain conduz uma patrulha no Mar da China Meridional enquanto apoia os esforços de segurança na região, em 22 de janeiro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 24.07.2022
Panorama internacional
Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA afirma: China está mais agressiva no Pacífico Sul
Washington está ostensivamente provocando a China e abertamente "consolidando, fortalecendo e reunindo a coalizão anti-China naquela região", destaca o acadêmico.
"Os Estados Unidos se envolveram em confronto com a Rússia e a China ao mesmo tempo", diz Suslov.
"Mas, por outro lado, os EUA têm enfatizado consistentemente a parceria Rússia-China como sendo um desafio global comum. Isto é claramente visível no novo conceito estratégico da OTAN, que foi adotado muito recentemente na cúpula de Madri. [O conceito] diz que os principais desafios globais para a ordem mundial americana são não só a Rússia e a China separadamente, mas também a parceria Rússia-China. É esta a tese que ajuda os EUA a consolidar seus aliados europeus e asiáticos em um bloco coerente", concluiu o especialista.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала