Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA querem ampliar hegemonia e isolar China na América Latina, diz especialista

© AP Photo / Alex Brandon, Eraldo PeresEsta imagem combinada mostra o presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, 6 de novembro de 2021, e o presidente da China, Xi Jinping, em Brasília, Brasil, 13 de novembro de 2019
Esta imagem combinada mostra o presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, 6 de novembro de 2021, e o presidente da China, Xi Jinping, em Brasília, Brasil, 13 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
Pesquisadora consultada pela Sputnik Brasil afirma que os EUA buscam reativar papel de protagonismo no continente, em meio à expansão e influência do BRICS na América Latina e em outras regiões do mundo.
A XV Conferência de Ministros da Defesa das Américas (CMDA), realizada nesta semana, não foi construtiva para o desenvolvimento da região e serviu como instrumento dos Estados Unidos na busca de hegemonia no continente.
Esta é a avaliação da pesquisadora pós-doutoranda da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) Isabela Gama, especialista em teoria das relações internacionais e em segurança.
Segundo ela, os temas mais tratados, como ciberdefesa, mulher, paz e segurança deveriam ter dado espaço a assistência humanitária e questões relacionadas ao progresso econômico latino-americano.
Além disso, no evento, os países reafirmaram compromisso com a Carta da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre "princípios democráticos".
"Do meu ponto de vista, acabou sendo uma forma de os EUA tentarem assumir, mais fortemente, um papel hegemônico no continente americano, por conta da crescente influência chinesa", avaliou Gama em entrevista à Sputnik Brasil.
© AP Photo / Eraldo PeresO ministro da Defesa do Brasil, Paulo Sergio Nogueira, à esquerda, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, ao centro, e o secretário de Assuntos Internacionais de Defesa da Argentina, Francisco José, à direita, posam para uma foto de grupo na XV Conferência de Ministros da Defesa das Américas, em Brasília, no Brasil, em 26 de julho de 2022
O ministro da Defesa do Brasil, Paulo Sergio Nogueira, à esquerda, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, ao centro, e o secretário de Assuntos Internacionais de Defesa da Argentina, Francisco José, à direita, posam para uma foto de grupo na XV Conferência de Ministros da Defesa das Américas, em Brasília, Brasil, terça-feira, 26 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
O ministro da Defesa do Brasil, Paulo Sergio Nogueira, à esquerda, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, ao centro, e o secretário de Assuntos Internacionais de Defesa da Argentina, Francisco José, à direita, posam para uma foto de grupo na XV Conferência de Ministros da Defesa das Américas, em Brasília, no Brasil, em 26 de julho de 2022. Foto de arquivo
Em discurso na terça-feira (26), o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, afirmou que a estabilidade democrática na região estaria, eventualmente, ameaçada pelo "esforço da China para obter influência". Em flagrante cutucada no país asiático, o secretário declarou ainda que "a democracia é o símbolo das Américas".
Para a especialista em relações internacionais, Austin tentou sugerir que a China seria "um risco à democracia das Américas". Segundo Gama, ao contrário dos EUA, a presença chinesa no continente é bem mais econômica do que política.

"Já há algum tempo, [Joe] Biden vem fazendo críticas a presença chinesa no continente americano, porque os EUA estão se preparando para uma retomada de relações econômicas, uma reconstrução de laços, com o fortalecimento do Banco Interamericano de Desenvolvimento [BID], por exemplo", afirmou a pesquisadora.

Ela aponta que o objetivo dos EUA é isolar a China no continente. Gama diz que, principalmente após o convite de Pequim para a Argentina ingressar no BRICS, o governo americano acelerou o movimento, por medo de "maior influência do grupo nas América".
A investida do secretário de Defesa dos EUA contra a China não ficou sem resposta. A Embaixada chinesa em Brasília rebateu afirmando que as declarações de Austin remontam à Guerra Fria e está repleta de preconceitos ideológicos.
"O gesto revela, mais uma vez, as intenções sinistras de certas forças nos EUA que visam cercear o desenvolvimento da China, prejudicar as relações China-América Latina e manter sua hegemonia no mundo. Manifestamos veemente objeção a esta atitude", diz um trecho da nota da Embaixada.
© Folhapress / Tom MolinaNa foto, Lloyd Austin, secretário de Defesa dos Estados Unidos, em Brasília, em 26 de julho de 2022
Na foto, Lloyd Austin, Secretário de Defesa dos Estados Unidos, em Brasília 26 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.07.2022
Na foto, Lloyd Austin, secretário de Defesa dos Estados Unidos, em Brasília, em 26 de julho de 2022. Foto de arquivo
Para Isabela Gama, a repercussão das declarações de Austin expõem como a conferência foi palco de provocações, e não de planos concretos de ação para problemas reais que os países das Américas enfrentam.
A especialista diz que não vê esforços dos americanos em contribuir para o desenvolvimento da região, e sim "no sentido de excluir determinados Estados ditos autoritários". Venezuela, Nicarágua e Cuba não foram convidadas para a Cúpula das Américas organizada por Biden, neste ano, e sofrem com a política externa de Washington.

"Isso é uma forma de colonialismo. Cada estado precisa resolver suas questões, a menos que não seja capaz de fazê-lo. As intervenções precisam ser bem pensadas e delimitadas", disse ela.

Sobre a visão americana de modelos políticos, a pesquisadora diz que "a democracia é uma luta constante". Gama afirma que a democracia "é uma escolha e não deve ser imposta, muito menos pelos EUA".
"O que vejo são os EUA se preparando realmente para aumentar sua influência no continente, tentando expulsar, especialmente, China e Rússia", indicou.
Lançamento de míssil balístico Bulava a partir do submarino nuclear russo Yuri Dolgoruky, no mar Branco, em direção ao polígono de Kura (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Analista: EUA devem estar prontos para repelir simultaneamente ataques nucleares da Rússia e China

China e Rússia como inimigas é o 'combo preferido' dos EUA

A especialista afirma que a Rússia possui grande influência na América do Sul, seja na Venezuela, e até no Brasil, como "parceira estratégia". Por isso, para a professora, não é surpresa que o cerco dos EUA contra China e Rússia continue presente.

"É o combo preferido dos EUA quando precisam de um inimigo externo comum. Encontraram a China e a Rússia", disse. "Me parece que os EUA estão tentando recriar um momento de intervencionismo e de políticas pró-americanas".

Apesar disso, de acordo com a pesquisadora, a perspectiva futura deverá ser de uma maior influência do BRICS na América Latina e em outras regiões do globo. Gama afirma que a expansão da aliança, abarcando novos membros, indica a mudança de patamar do grupo para um "bloco antiocidental".
Os líderes dos países do BRICS participam de encontro do bloco em Brasília, Brasil, 14 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 12.07.2022
Panorama internacional
Ante queda de dólar e euro, é possível criação de moeda de reserva do BRICS, diz ex-presidente russo
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала