Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Crise energética: cidades da Alemanha proíbem água quente em prédios públicos

© Cidade de HanoverCâmara Municipal de Hanover, na Alemanha
Câmara Municipal de Hanover, na Alemanha - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Nos siga noTelegram
A crise energética que afeta a Europa, em especial a Alemanha, em razão da redução do fornecimento de gás proveniente da Rússia e da decisão da União Europeia (UE) de reduzir o consumo fez com que cidades alemãs proibissem a água quente em edifícios públicos.
Cidades da Alemanha, como Hanover, na Baixa Saxônia, e Augsburgo, na Baviera, decidiram limitar o uso de água quente em edifícios públicos, vestiários, ginásios e estádios como forma de reduzir o consumo de energia.
Fontes públicas também estão sendo desligadas, e não haverá luzes noturnas em edifícios como o da prefeitura e de museus.
Além disso, o aquecimento de prédios públicos será limitado entre abril e setembro de cada ano. Aparelhos portáteis de ar-condicionado e aquecimento também estão restritos.

“A situação é imprevisível. Cada quilowatt-hora conta, e proteger a infraestrutura crítica deve ser uma prioridade", disse o prefeito Belit Onay, de Hanover, ao jornal britânico The Guardian.

Válvulas de tubulação do gasoduto Gazela entre a República Tcheca e a Alemanha, utilizado para o transporte de gás russo à União Europeia (UE), 23 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 24.07.2022
Panorama internacional
Ministra do Exterior da Alemanha adverte sobre 'revoltas populares' se o país ficar sem gás
Na capital, Berlim, monumentos históricos e prédios públicos também têm sido apagados.
As proibições têm como objetivo atender à determinação da UE de redução do consumo de gás.
A Alemanha tem sido impactada diretamente pela redução do fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream. O acordo firmado por países da União Europeia para reduzir de 15% a 20% a demanda de gás natural inclusive ameaça derrubar a economia alemã, segundo Aleksei Grivach, subdiretor-geral do Fundo de Segurança Nacional Energética da Rússia.

Para Grivach, "é muito provável que muitos países da União Europeia entrem em recessão ao mesmo tempo que a inflação acelera. É obvio que a economia e os consumidores terão problemas se a Europa continuar brigando com o principal fornecedor de energia [a Rússia]".

O chanceler alemão, Olaf Scholz, durante coletiva de imprensa após encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou, 15 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Panorama internacional
Época da liderança alemã na União Europeia está chegando ao fim, diz Bloomberg
O governo da Alemanha está preocupado com o corte do fornecimento de gás da Rússia. O gasoduto Nord Stream 1 está com seu funcionamento parcial em razão da demora do Canadá em devolver uma turbina que foi enviada para manutenção.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала