Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China 'não tolerará' tentativas do Pentágono para pressionar relações militares, diz Defesa chinesa

© AP Photo / Andy WongRobô desenvolvido pelo Instituto do Exército de Libertação Popular da China (ELP)
Robô desenvolvido pelo Instituto do Exército de Libertação Popular da China (ELP) - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Nos siga noTelegram
No contexto da escalada de tensões entre o gigante asiático e o governo estadunidense que pretende enviar Nancy Pelosi a Taiwan, Pequim diz que tomará medidas "racionais, eficazes, seguras e profissionais para combater os EUA".
A China "não tolerará" tentativas de pressionar o Exército de Libertação Popular (ELP) por meio de interações com seus colegas norte-americanos, indicou o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, coronel Wu Qian.

"Os contatos entre os Exércitos da China e dos Estados Unidos são um componente importante das relações sino-americanas. Agradecemos esses laços, mas no processo de interação seguiremos nossos próprios princípios", disse Wu em entrevista a repórteres na quinta-feira (28).

As considerações do porta-voz acontecem em meio à intenção da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, de visitar Taiwan, ação que Pequim já deixou claro que não concorda e que poderia até se posicionar com uma "resposta militar".
Na quarta-feira (27), a Associated Press informou que o Pentágono estava desenvolvendo planos de contingência para "proteger" Pelosi se ela cumprir os planos de visitar a ilha.
Nesta foto divulgada pelo Comando Indo-Pacífico dos EUA, o grupo de ataque de porta-aviões do Reino Unido liderado pelo HMS Queen Elizabeth (R 08) e as Forças de Autodefesa Marítima do Japão lideradas pelo destróier de helicópteros da classe Hyuga (JMSDF) JS Ise (DDH 182 ) juntaram-se aos grupos de ataque de porta-aviões da Marinha dos EUA liderados pelos navios-chefe USS Ronald Reagan (CVN 76) e USS Carl Vinson (CVN 70) para conduzir várias operações de grupo de ataque de porta-aviões no mar das Filipinas, em 3 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 28.07.2022
Panorama internacional
Grupo de ataque de porta-aviões dos EUA está indo a Taiwan em meio à tensão da visita de Pelosi
A China condena há muito tempo todas as formas de interações oficiais entre funcionários dos EUA e de Taiwan. Pelosi é classificada como a terceira autoridade mais poderosa em Washington, e teria a tarefa de assumir a presidência se algo acontecesse com Joe Biden e a vice-presidente Kamala Harris.
Acusando "alguns representantes do lado norte-americano" de "pressionarem persistentemente Pequim", Wu enfatizou que o lado chinês simplesmente não "suportaria e toleraria obedientemente" tal pressão: "Naturalmente, vamos nos opor fortemente a isso", disse ele.
A presidente da Câmara dos EUA, deputada Nancy Pelosi (Partido Democrata da Califórnia) fala durante evento de imprensa sobre direitos reprodutivos em frente ao Capitólio dos EUA, Washington, DC, 15 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 20.07.2022
Panorama internacional
Pelosi pode desencadear crise 'mais séria' no estreito de Taiwan arriscando laços China-EUA
O representante da Defesa do gigante asiático também comentou sobre a intensificação da atividade militar do Pentágono na China nos últimos dias, chamando as ações de "provocativas" e assegurando que Pequim "tomaria medidas racionais, eficazes, seguras e profissionais para combater os Estados Unidos".
Também nesta semana, o chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, Mark Milley, acusou Pequim de se tornar uma potência cada vez mais agressiva, tanto em termos de retórica quanto de atividade militar.
O porta-voz chinês da Defesa sugeriu que há duas razões principais para as autoridades dos EUA fazerem declarações sobre o perigo supostamente representado pela China e seus militares: "A primeira é dar desculpas para o próprio desenvolvimento militar [dos EUA] por meio de ameaças exageradas. A segunda é difamar a China para servir ao seu propósito estratégico de conter e reprimir a nação", disse ele.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала