- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Amazônia é foco de interesse e de atuação da política externa dos EUA, afirma analista

© Folhapress / Lalo de AlmeidaVista aérea da aldeia Rapkô, dos índios Xikrins, na Terra Indígena Trincheira Bacajá, em São Félix do Xingu, no Pará (foto de arquivo)
Vista aérea da aldeia Rapkô, dos índios Xikrins, na Terra Indígena Trincheira Bacajá, em São Félix do Xingu, no Pará (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 27.07.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
Embaixada e consulados dos Estados Unidos no Brasil criaram curso para potencializar lideranças indígenas na Amazônia. Para especialista ouvido pela Sputnik, apesar de não haver ameaças graves ao domínio brasileiro no momento, região desperta interesse dos pontos de vista econômico e geoestratégico.
Debates sobre a soberania brasileira na Amazônia têm mobilizado o país nos últimos anos. Recentemente, um programa lançado pelos Estados Unidos para lideranças indígenas na região chamou novamente a atenção para o tema.
O projeto, criado pela embaixada e por consulados norte-americanos no Brasil, tem como objetivo ensinar o idioma inglês a 140 indígenas, de 18 a 35 anos, por um curso on-line entre setembro deste ano e junho de 2023.
De acordo com a organização Mais Unidos, responsável pela implementação do projeto, o "Access Amazon" tem o objetivo de levar "valor para suas respectivas carreiras e potencial de liderança com foco em causas ambientais". O curso foi desenvolvido pelo Escritório Regional de Língua Inglesa (RELO, na sigla em inglês).
Indígenas marcham para protestar contra o desaparecimento do especialista indígena Bruno Pereira e do jornalista freelance britânico Dom Phillips, em Atalaia do Norte, Vale do Javari, Amazonas, Brasil, segunda-feira, 13 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.07.2022
Notícias do Brasil
Visando 'expandir potencial de liderança', EUA oferecem curso de inglês para indígenas na Amazônia
As preocupações ambientais são suficientes para explicar o interesse dos EUA na Amazônia? E a aproximação de órgãos estrangeiros à população local não coloca em xeque de alguma forma a soberania brasileira?
O professor de relações internacionais Christopher Mendonça, do Ibmec Belo Horizonte, avalia que "a Amazônia é, sem dúvidas, um foco de interesse e de atuação da política externa dos americanos".
Segundo ele, a posição de liderança internacional faz os EUA buscarem se envolver em questões dos mais diversos âmbitos no mundo.

"Não há apenas interesses ambientais nesta área: a Amazônia tem riquezas importantes e uma biodiversidade de que poucos países dispõem. Dos pontos de vista econômico e até geoestratégico, ter influência sobre a região amazônica é importante para as principais potências mundiais", analisou Mendonça, em entrevista à Sputnik Brasil.

Para o assessor político da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), Toya Manchineri, o projeto contribui para a "emancipação política" indígena.
Ele explica que, uma vez capacitados com o novo idioma, as lideranças "poderão conversar com parentes e parceiros que falam inglês, colocando seus objetivos e pensamentos próprios" sobre temas ambientais e de direitos humanos e sobre o desenvolvimento da região.
Segundo Manchineri, com o domínio da língua inglesa, as lideranças serão capazes de expressar não apenas ideias, mas "emoções nos diversos assuntos", o que, por meio de tradução, "não é possível fazer".

"Falta ao Estado brasileiro reconhecer a importância da cultura indígena e que existem cerca de 180 línguas faladas pelos povos indígenas na Amazônia brasileira. O Brasil precisa valorizar as populações nativas", ressaltou.

Cartaz com as imagens de Dom Phillips (à esquerda) e Bruno Pereira, assassinados na Floresta Amazônica em 5 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 08.07.2022
Notícias do Brasil
Polícia Federal prende suspeito de ser o mandante do assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips

'Não há ameaças graves ao domínio brasileiro até o momento'

O professor Christopher Mendonça diz que o envolvimento de organizações internacionais com as populações amazônicas "não é por si uma ameaça à soberania nacional". O especialista afirma que atualmente as relações internacionais "não estão restritas às fronteiras dos países".

"A questão da soberania nacional sempre foi e mantém-se como uma preocupação importante de toda a comunidade internacional. A própria ONU [Organização das Nações Unidas], criada nos anos 1940 para institucionalizar a paz, leva em consideração a não intervenção dos países em território alheio. Não há, até o momento, ameaças graves ao domínio brasileiro sobre sua porção da região amazônica, que é compartilhada com outros países da região", disse Mendonça.

© AFP 2022 / EVARISTO SAIndígenas durante uma reunião de caciques em Brasília, em 2013
Indígenas durante uma reunião de caciques em Brasília, em 2013 - Sputnik Brasil, 1920, 26.07.2022
Indígenas durante uma reunião de caciques em Brasília, em 2013
O professor do Ibmec aponta que, nos últimos anos, houve um arrefecimento das ações da Fundação Nacional do Índio (Funai) e de outros órgãos do governo federal, que "precisam ser retomadas, para que as garantias constitucionais sejam garantidas aos povos amazônicos".
Apesar disso, o especialista afirma que, após a Constituição Federal de 1988, o Estado brasileiro passou a ter um olhar atento para pautas indígenas e trabalha, por meio da Funai, com questões ligadas aos povos nativos, tratando, por exemplo, das demarcações de terras.
"Ações importantes do Estado brasileiro são mantidas na tentativa de atender às necessidades e direitos dos povos que lá habitam", indicou.
Porém, segundo Mendonça, devido à grande extensão da Amazônia, "ainda há dificuldades na presença do Estado em muitas localidades". Ele lembra que o Brasil é um país com um dos maiores territórios do mundo e tem fronteiras com quase todas as nações da América do Sul.

"Essa condição geopolítica nos traz responsabilidades também muito grandes. As Forças Armadas e a Polícia Federal vêm investindo na presença estatal brasileira em todo o território nacional, mas ainda há muito o que se fazer, sobretudo no que se refere a tecnologias de vigilância de fronteiras. Drones, imagens espaciais, câmeras de monitoramento são importantes ferramentas que precisam ser exploradas para que o país tenha maior presença em áreas da Amazônia das quais não se tem tanto controle", afirmou.

Soldados do Exército Brasileiro - Sputnik Brasil, 1920, 15.07.2022
Notícias do Brasil
Imperialismo ou globalismo? Temor de internacionalização da Amazônia aproxima esquerda e direita
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала