Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Chefe da diplomacia da UE defende retomada de acordo nuclear com o Irã

© SputnikO alto representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, durante coletiva de imprensa em 2021
O alto representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, durante coletiva de imprensa em 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 26.07.2022
Nos siga noTelegram
Josep Borrell, chefe da diplomacia da União Europeia (UE), defendeu nesta terça-feira (26) a retomada do acordo nuclear com o Irã. Após um ano de negociações, o diplomata vai apresentar um texto que busca a implementação dos acordos fechados em 2015.
Em artigo publicado no Financial Times, Borrell disse que o texto que será apresentado é o melhor possível e deve ser implementado o mais rápido que puder para garantir a implementação do acordo nuclear com o Irã. A decisão de Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, de sair do acordo em 2018 impediu a concretização do acordo.
Há cerca de um ano, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Rússia, Estados Unidos, China, Reino Unido e França), a Alemanha e o Irã retomaram as negociações diplomáticas referentes ao acordo nuclear. Para Borell, o espaço de negociação já se esgotou e o texto que será apresentado é o melhor possível.
"O texto representa o melhor negócio possível que eu, como facilitador das negociações, vejo como viável. Não é um acordo perfeito, mas aborda todos os elementos essenciais e inclui compromissos duramente conquistados por todas as partes. As decisões precisam ser tomadas agora para aproveitar esta oportunidade única de sucesso e liberar o grande potencial de um acordo totalmente implementado. Não vejo outra alternativa abrangente ou eficaz ao nosso alcance", declarou.
"Sabemos que o acordo permanece politicamente polarizado em Washington à medida que as eleições de meio de mandato se aproximam. O acordo pode não ter abordado todas as preocupações dos EUA em relação ao Irã. A UE partilha preocupações que vão além da questão nuclear, como os direitos humanos e as atividades regionais do Irã. Nós as abordamos continuamente com o Irã em discussões bilaterais", disse ainda.
Submarino nuclear russo de classe Borei (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 25.07.2022
Submarino nuclear russo Belgorod pode abrir terreno para nova Guerra Fria nos oceanos, diz analista
Borrell afirmou também que "o acordo está mais protegido de possíveis movimentos unilaterais para prejudicá-lo".
O artigo do chefe da diplomacia europeia acompanha a posição do presidente da França, Emmanuel Macron, que acredita na retomada do acordo. O mandatário francês conversou com seu homólogo iraniano, Ebrahim Raisi, no último sábado (23).
Na ocasião, Macron expressou desapontamento com a falta de progresso nas negociações de Viena, que pararam na primavera passada — no Hemisfério Norte —, e insistiu na necessidade de fazer uma escolha clara para concluir um acordo e retornar à implementação dos compromissos nucleares do Irã.
Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) durante entrevista coletiva especial na sede da AIEA em Viena, Áustria, em 28 de abril 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022
Panorama internacional
Chefe da AIEA: 'Programa nuclear do Irã está avançando a galope e temos muito pouca visibilidade'
Em 2015, o Irã assinou o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês, também conhecido como acordo nuclear iraniano) com o grupo de países P5+1 (Estados Unidos, China, França, Rússia e Reino Unido, mais a Alemanha) e a União Europeia. Ele exigia que o Irã reduzisse seu programa nuclear e reduzisse severamente suas reservas de urânio em troca de alívio de sanções, incluindo o levantamento do embargo a armas cinco anos após a adoção do acordo. Em 2018, os EUA abandonaram sua posição conciliatória sobre o Irã, retirando-se do JCPOA e implementando políticas duras contra Teerã, levando o Irã a abandonar amplamente suas obrigações sob o acordo.
Em abril de 2021, as partes do acordo, mais os Estados Unidos, iniciaram negociações para restabelecer o acordo nuclear, trabalhando em Viena. No entanto Borrell anunciou em março uma pausa nas negociações de Viena "devido a fatores externos".
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала