- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Especialista: não há registro de presidente reeleito em condições similares às do governo Bolsonaro

© Folhapress / Fotoarena / Leo BahiaEm Brasília, bolsonaristas oram durante Marcha da Família Cristã pela Liberdade, repetindo famoso protesto da Ditadura Militar, em 11 de abril de 2021
Em Brasília, bolsonaristas oram durante Marcha da Família Cristã pela Liberdade, repetindo famoso protesto da Ditadura Militar, em 11 de abril de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 23.07.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
Neste domingo (24), no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro lançará sua candidatura à presidência de olho na reeleição. À Sputnik Brasil, parlamentares governistas falaram sobre os desafios desta eleição, e o que será preciso fazer para vencer Luiz Inácio Lula da Silva.
As atuais pesquisas de intenção de voto não são promissoras para o atual chefe de Estado brasileiro, que encontra-se atrás do candidato da oposição, do Partido dos Trabalhadores, e sob pressão de diversos setores da sociedade. Mas o pleito está longe de ter sido decidido. O fato é que até outubro, há muita água para correr sobre os rios da eleição presidencial no Brasil.
Os acordos com a Rússia, no âmbito da aquisição de diesel a preços, como garantiu o presidente, "o mais barato possível", devem arrefecer a inflação que assombra o Brasil. Além disso, o novo auxílio financeiro do Estado passará a chegar à conta dos brasileiros nos próximos meses, e seus efeitos devem ser sentidos na economia do país.
O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o presidente russo, Vladimir Putin, posam para uma foto antes de uma reunião do BRICS à margem da cúpula do G20 em Osaka, no Japão, em 28 de junho de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 12.07.2022
Panorama internacional
Acordo sobre diesel: EUA e Europa podem impor 'custos' ao Brasil por aproximação com Moscou?
A confiança de que o cenário contra Lula pode mudar até outubro é partilhada pelo deputado federal Filipe Barros. Conforme explicou à Sputnik Brasil, a estratégia do presidente, neste momento, deve ser a consolidação do "projeto de desenvolvimento e de apoio à população excepcional" que foi apresentado nos últimos quatro anos.
Para ele, "não se trata de apresentar uma estratégia no sentido eleitoreiro, mas, sim, de apresentar o trabalho que vem sendo feito em todas as regiões do país com obras e ações em todos os setores".
Filipe Barros define-se como um "soldado do presidente" que estará "ao lado dele nas missões pelo bem da nossa nação". Ao defender o governo, ele explicou que "a eleição deste ano, em outubro próximo, será histórica. O brasileiro tem dois caminhos à frente: ou segue o projeto de desenvolvimento que está acontecendo neste momento sob o comando do presidente Bolsonaro, ou o retorno do crime organizado e da corrupção".
Imagem de celular exibindo o aplicativo do Auxílio Brasil - Sputnik Brasil, 1920, 23.07.2022
Notícias do Brasil
Governo Bolsonaro libera R$ 27 bi para aumentar Auxílio Brasil e mais benefícios sociais
Essa opinião também é partilhada pela deputada Carla Zambelli, uma das parlamentares mais próximas do chefe de Estado brasileiro. Ela entende que a melhor estratégia, neste momento, "é a verdade", e defende que "as brumas da oposição" vão se dissipar até não conseguirem "mais encobrir a verdade". Ela citou, como exemplo, as recentes benesses do Estado brasileiro para mitigar os efeitos da crise econômica internacional.
Ela apontou que Jair Bolsonaro promoveu estratégia interessante ao rever o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). "Ele dizia que impactava no preço dos combustíveis. A oposição apoiada pela grande mídia colocou sua fala em dúvida, e, uma vez aprovada a redução do ICMS, as pessoas viram o preço dos combustíveis baixar. A verdade vai reeleger o presidente Bolsonaro", afirmou.
© Folhapress / Futura PressA deputada Carla Zambelli durante lançamento do Programa Adote 1 Parque, realizado na cidade de Brasília , DF
A deputada Carla Zambelli durante lançamento do Programa Adobe 1 Parque, realizado na cidade de Brasília , DF - Sputnik Brasil, 1920, 23.07.2022
A deputada Carla Zambelli durante lançamento do Programa Adote 1 Parque, realizado na cidade de Brasília , DF
"A missão de todos nós que apoiamos o presidente é mostrar para a população o quanto avançamos. O Brasil é hoje um país muito melhor. A corrupção foi combatida e nossas estatais estão gerando receitas que agora podem ser partilhadas com os brasileiros. Temos um país com índices muito menores de criminalidade. Precisamos mostrar o quanto poderemos avançar com o Novo Marco do Saneamento, o 5G e outros investimentos em infraestrutura que colocarão nosso país na rota da prosperidade", disse Carla Zambelli à Sputnik Brasil.
Em meio à confiança de que é possível reverter o que dizem as pesquisas de intenção de voto, ela também falou sobre os desafios de 2022. Para ela, esta é uma eleição parecida com a de 2018, pois é preciso "vencer a mentira, a desfaçatez e a falta de compromisso com o Brasil".
O professor Agnaldo dos Santos, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), por outro lado, entende que o atual governo possui um desafio mais difícil de ser superado diante da possibilidade de reeleição: a crise econômica, com inflação alta e desemprego em taxas elevadas.
Passageiros usam celulares dentro do metrô em São Paulo, em 25 de julho de 2018 - Sputnik Brasil, 1920, 04.07.2022
Notícias do Brasil
Rede 5G será tão revolucionária quanto lançamento da Internet e dos smartphones, diz especialista
"Não há registro na história das democracias modernas de um presidente reeleito ou apoiando um candidato vitorioso nestas condições. A isso soma-se o alto índice de rejeição, na casa dos 60%, que cria uma barreira difícil, especialmente no segundo turno. O que sobra a ele é manter sua base de apoio, que é alta (em torno dos 30%), dadas as condições acima expostas. É apostar também nos eventuais efeitos do Auxílio Brasil entre os mais pobres", disse Agnaldo dos Santos.
O cientista social explicou ainda outro ponto importante neste pleito, a chegada do general Braga Neto como vice na chapa de Jair Bolsonaro. Segundo ele, "isso reforça a ideia de que as Forças Armadas, ou parte expressiva dela, são os verdadeiros fiadores do governo, além de parte do mercado financeiro interessado na política econômica liberal. É uma chapa que atende aos citados 30% de apoiadores do presidente, mas não sinaliza para a ampliação de apoio que um candidato à reeleição necessita".
Para ele, ainda pairam muitas perguntas sobre o papel do general Braga Neto nesta chapa. O que se pode dizer, até o momento, é que o novo vice "possui um perfil mais discreto que o de [Hamilton] Mourão, o que deve agradar Bolsonaro. Mas reforça a imagem de que parte expressiva das Forças Armadas continua apoiando o projeto de Bolsonaro". Segundo ele, "não é um bom sinal para os que temem uma possível radicalização da campanha eleitoral, e mesmo o não reconhecimento de uma possível derrota".
Jair Bolsonaro em Brasília, 3 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022
Notícias do Brasil
Extrema direita mundial segue fiel a Bolsonaro? Especialistas debatem
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала