Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA levam Coreia do Sul a 'suicídio' com eventual perda de venda de semicondutores para China

© Sputnik / Ramil Sitdikov  / Abrir o banco de imagensBandeira da República da Coreia, Seul, 25 de fevereiro de 2017
Bandeira da República da Coreia, Seul, 25 de fevereiro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 21.07.2022
Nos siga noTelegram
Enquanto a China é a maior importadora de semicondutores sul-coreanos, os EUA estão exercendo pressão na Coreia do Sul para participar da reunião da aliança Chip 4, que Taiwan faz parte, o que pode levar ao corte de laços entre as duas nações do Sudeste Asiático.
"De maneira maximamente escandalosa" os Estados Unidos colocaram a Coreia do Sul perante um dilema político, fixando o prazo para uma resposta adequada. Como comunica a mídia sul-coreana, sem quaisquer negociações preliminares, os EUA de forma unilateral informaram para sua aliada asiática, Coreia do Sul, que para o fim de agosto está prevista uma reunião da chamada aliança Chip 4 (EUA, Japão, Coreia do Sul e Taiwan, que a China considera sua parte integrante).
Segundo o Global Times, que se refere às fontes na Casa Azul (residência oficial do presidente e governo sul-coreanos), as autoridades do país ainda não tomaram decisão sobre a sua participação, enquanto a pressão por parte dos Estados Unidos está fortalecendo.
A presidente da Câmara dos EUA, deputada Nancy Pelosi (Partido Democrata da Califórnia) fala durante evento de imprensa sobre direitos reprodutivos em frente ao Capitólio dos EUA, Washington, DC, 15 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 20.07.2022
Panorama internacional
Pelosi pode desencadear crise 'mais séria' no estreito de Taiwan arriscando laços China-EUA
A aliança Chip 4 foi criada sob a iniciativa dos EUA em março do ano corrente. De acordo com a edição chinesa, a aliança visa estabelecer uma "barreira semicondutora" contra a parte continental da China. O Global Times salienta que o Japão e as autoridades do Partido Democrático Progressista (partido político liberal de Taiwan) parecem estar interessados na iniciativa, enquanto a Coreia do Sul está perante um desafio difícil de ultrapassar.

"As autoridades do Partido Democrático Progressista e o Japão estão demonstrando a sua posição ativa devido a certos fatores políticos. Contudo, o governo sul-coreano e empresas relacionadas julgam com bom senso que a participação em um evento destes tanto não traz vantagens adicionais como prejudica os interesses do país", diz a publicação.

Referindo-se às estatísticas, o Global Times comunica que as exportações de semicondutores da Coreia do Sul alcançaram 128 bilhões de dólares, enquanto a parte da China continental e de Hong Kong representa 60% do total. Assim, o rompimento de laços com um mercado tão grande não deixa de ser um "suicídio comercial". Segundo a edição, há pouco os Estados Unidos deram à Coreia do Sul uma faca para o país cometer um sacrifício político.
Representante oficial do MRE russo, Maria Zakharova, durante o briefing, 29 de abril de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 19.07.2022
Panorama internacional
Ao contrário dos EUA, China é um Estado solvente e conduz políticas independentes, diz MRE russo
As autoridades sul-coreanas ainda não apresentaram uma posição clara, mas na sociedade do país asiático já se desencadearam debates, demonstrando uma mentalidade complexa de todas as camadas sul-coreanas.

"Estão preocupados com as exportações para a China sofrerem uma queda significativa e os Estados Unidos imporem sanções, no caso contrário. A opinião pública sul-coreana compara os EUA com o 'proprietário' na cadeia de indústria de chips – recusar a oferta norte-americana vai significar o risco de saída de toda a cadeia. As razões da hesitação da Coreia do Sul são óbvias", destaca o artigo.

De fato, segundo o Global Times, a questão que Washington tem colocado perante a Coreia do Sul não tem nada a ver com o fortalecimento da aliança tecnológica entre a Coreia do Sul e os próprios Estados Unidos. Pelo contrário, a questão consta na prontidão de Seul para se sacrificar em nome da "loucura geopolítica" norte-americana.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала