Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Abalando o Ocidente, sanções não deixaram a economia da Rússia isolada, diz mídia

© Sputnik / Aleksei LebedevMuralhas do Kremlin junto ao rio Moscou em Moscou, Rússia, foto publicada em 22 de maio de 2022
Muralhas do Kremlin junto ao rio Moscou em Moscou, Rússia, foto publicada em 22 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 21.07.2022
Nos siga noTelegram
No Ocidente estão se acumulando o cansaço e receio por causa das sanções antirrussas, as restrições econômicas impostas contra Moscou com o objetivo de destruir e isolar sua economia não funcionaram, em vez disso os países ocidentais é que estão sendo abalados, escreve Newsweek.
As medidas restritivas criaram muitos problemas para o Ocidente, incluindo a crescente inflação, o aumento dos preços de combustíveis e a incerteza relativamente à estabilidade do fornecimento de gás natural durante a estação de aquecimento, para a qual não falta muito tempo, aponta o artigo.
Além disso, está aumentando a incerteza na esfera política, o mais recente exemplo disso é a demissão do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, um dos apoiadores mais firmes da Ucrânia.
"Os planos para estrangular nosso país [Rússia] com sanções não funcionam. A imposição impensada de restrições apenas agrava a situação na economia dos EUA", disse embaixador russo nos EUA Anatoly Antonov em entrevista ao jornal.
Em uma audiência que teve lugar em junho da subcomissão do Senado dos EUA para a Europa e Cooperação de Segurança Regional, o conselheiro sênior Amos Hochstein, quando questionado se Moscou conseguia ganhar mais dinheiro da venda de petróleo e gás natural agora do que alguns meses antes de o conflito começar, disse que "não posso negar isso".
"Não se previa que o superávit da conta corrente russa realmente subisse porque assim eles ganhariam muito mais dinheiro com a venda do petróleo", acrescentou Hochstein.

Por fim o jornal aponta que, enquanto o presidente dos EUA Joe Biden prometeu apoiar a Ucrânia por "tanto tempo quanto for necessário", pesquisas recentes sugerem que o aumento dos preços de alimentos e energia nos EUA, que subiram no nível anual até quase 9% e 7,5% respectivamente, está diminuindo o apoio popular às sanções contra a Rússia.

Uma chama queima em uma refinaria então operada pela Shell e atualmente de posse da mexicana Pemex, em Deer Park, Texas, EUA, 31 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 13.07.2022
Panorama internacional
Era do petróleo caro veio para ficar, diz Bloomberg
Após o início da operação militar especial russa para ajudar a região de Donbass contra ataques de nacionalistas ucranianos, o Ocidente adotou uma série de medidas restritivas em larga escala contra Moscou.
As sanções afetam o setor bancário, produtos de alta tecnologia, exportação de combustíveis, como gás e petróleo, e parte das reservas internacionais russas.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала