Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Com economia devastada, Ucrânia pede que credores congelem seus pagamentos de dívidas

© Sputnik / Viktor Antonyuk / Abrir o banco de imagensArma de artilharia das Forças Armadas da Ucrânia destruída em Severodonetsk, no leste ucraniano, 11 de junho de 2022
Arma de artilharia das Forças Armadas da Ucrânia destruída em Severodonetsk, no leste ucraniano, 11 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 20.07.2022
Nos siga noTelegram
De acordo com a Reuters, Kiev pediu aos credores internacionais para que congelem seus pagamentos de dívida por dois anos para focar esforços financeiros no conflito contra Rússia.
Segundo estimativas dos órgãos internacionais e do Ministério das Finanças da Ucrânia, o país deve ter uma perda estimada de até 45% de seu produto interno bruto (PIB) como consequência do enfrentamento à operação militar especial de Moscou iniciada em fevereiro.
Nesta quarta-feira (20), a autoridade financeira do país disse esperar finalizar o adiamento de pagamento de sua dívida de cerca de US$ 20 bilhões (aproximadamente R$ 108,5 bilhões) até 9 de agosto.
O atraso nos pagamentos, rapidamente apoiado pelos principais governos ocidentais e fundos internacionais que emprestaram recursos a Kiev, chega à tempo de adiar parcelas da dívida na casa de US$ 1,2 bilhão (quase R$ 6,516 bilhões), com vencimento no início de setembro.
O governo ucraniano sugeriu um plano de pagamentos, publicado em seu site, afirmando que "todas as datas de pagamento de juros dos títulos" seriam adiadas de acordo com cronograma de seu plano na tentativa de evitar a inadimplência, oferecendo aos credores, inclusive, o pagamento de juros adicionais assim que o congelamento terminar.
Notas de dólares americano e euros (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 16.07.2022
Panorama internacional
Medo de nova crise financeira impede ajuda financeira europeia à Ucrânia, diz mídia
Kiev tinha estimado um déficit fiscal de US$ 5 bilhões (cerca de R$ 27,2 bilhões) por mês - o equivalente a 2,5% de seu PIB de antes do conflito - mas, os economistas calculam que o déficit fiscal vai atingir até 25% de seu PIB.

"Nós, como credores bilaterais oficiais da Ucrânia, pretendemos fornecer uma suspensão coordenada do serviço da dívida", disse o grupo de governos composto por EUA, Canadá, França, Alemanha, Japão e Grã-Bretanha, logo após a proposta ucraniana. Ainda segundo a Reuters, o grupo aproveitou o comunicado para encorajar outros credores bilaterais a seguir seu exemplo.

Apesar do conflito, a Ucrânia tinha afirmado repetidas vezes que honraria todos os seus compromissos financeiros, mas a partir da semana passada em que a empresa de energia estatal Naftogaz solicitou o congelamentos de suas dívidas, a mudança de postura do governo passou a ser especulada para "apenas uma questão de tempo".
Cabe lembrar que instituições globais como o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial e governos ocidentais se comprometeram a fornecer US$ 38 bilhões desde o início da operação russa, mas quase 80% desse apoio é composto de empréstimos e não de ajuda.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала