Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

FMI afirma que corte de gás russo afundaria algumas economias do Leste Europeu em 6%

© Sputnik / Evgeny Biyatov / Abrir o banco de imagensCampo de gás russo (imagem de referência)
Campo de gás russo (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 19.07.2022
Nos siga noTelegram
O produto interno bruto (PIB) de alguns países da Europa Central e Oriental pode cair até 6% se Moscou decidir cortar completamente o fornecimento de gás, estimam especialistas do Fundo Monetário Internacional (FMI).
Para estudar o possível impacto de um fechamento total do fornecimento de gás pela Rússia a partir de meados de julho, o FMI usou como referência períodos de fornecimento ininterrupto deste ano e concluiu que os resultados são alarmantes.
"Se as restrições físicas impedirem os fluxos de gás, uma abordagem de mercado fragmentada sugere que o impacto negativo na produção econômica seria especialmente significativo, de até 6% para alguns países da Europa Central e Oriental que usam gás russo de forma muito intensa e em que escasseiam fornecimentos alternativos, notadamente a Hungria, a República Eslovaca e a República Tcheca", publicaram autoridades do FMI em um post assinado pelo chefe do Departamento da Europa, Alfred Kammer, seu vice-diretor, Mark Flanagan, e pelo chefe da Unidade de Matérias-Primas do Departamento de Estudos e seu economista, Andrea Pescatori e Martin Stuermer, respectivamente.
Esses analistas estimam que um corte de até 70% nas entregas de gás russo seria administrável no curto prazo por meio do acesso a suprimentos e fontes alternativas de energia.
Carros e painel com preços de combustíveis em um posto de gasolina na França
 - Sputnik Brasil, 1920, 18.07.2022
Panorama internacional
Países europeus devem se preparar para o 'inverno do descontentamento', diz especialista
"No entanto, a diversificação seria muito mais difícil em face de uma paralisação total. Os gargalos podem reduzir a capacidade de redirecionar o gás na Europa devido a capacidades de importação insuficientes ou restrições de transmissão. Esses fatores podem levar a uma escassez de 15-40% do volume anual de consumo em alguns países da Europa Central e Oriental", dizem os autores.
Em meados de junho, a Rússia reduziu o fornecimento através do gasoduto submarino Nord Stream 1 (Corrente do Norte 1) em 60% devido a sanções que impediram uma subsidiária canadense da Siemens de devolver uma turbina para suas usinas de bombeamento ao grupo russo Gazprom.
O gasoduto, com capacidade nominal de 55 bilhões de metros cúbicos por ano, está passando por manutenção regulatória desde 11 de julho até o dia 21, segundo as previsões, mas alguns países europeus temem que a Rússia não reabra totalmente os fluxos de gás.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала