Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

No Oriente Médio, Biden abdicou dos princípios sagrados da política dos EUA, diz The Washington Post

© AFP 2022 / Bandar Al-Jaloud Príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, se reúne com o presidente norte-americano, Joe Biden, no palácio de Al-Salam, em Gidá, segunda maior cidade do reino, 15 de julho de 2022
Príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, se reúne com o presidente norte-americano, Joe Biden, no palácio de Al-Salam, em Gidá, segunda maior cidade do reino, 15 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 18.07.2022
Nos siga noTelegram
Durante o seu périplo pelo Oriente Médio, Joe Biden evitou levantar questões de direitos humanos, em uma tentativa de conseguir o fornecimento de mais petróleo saudita, assim violando as suas promessas do início do mandato, diz artigo do The Washington Post.
O presidente norte-americano Joe Biden há pouco voltou do seu périplo de quatro dias pelo Oriente Médio, durante o qual ele visitou Israel e, em um ambiente muito mais controverso, o reino da Arábia Saudita.
A viagem foi uma tentativa de Biden de fortalecer as relações dos Estados Unidos com os aliados tradicionais norte-americanos, a fim de conter a influência crescente de Rússia, China e Irã. Contudo, segundo a edição, a missão de Biden entrou em conflito com as suas promessas de manter o regime de Riad afastado, feitas no passado, por o reino ter desencadeado a guerra no Iêmen e por causa de uma situação "feia" no campo dos direitos humanos.
Mais em particular, trata-se do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018, de que os Estados Unidos acusam de forma direita o chefe de Estado, o príncipe herdeiro saudita Muhammad bin Salman.
Da esquerda para a direita: Asaad bin Tariq al-Said, vice-primeiro-ministro de Relações Internacionais e Cooperação de Omã e representante especial do sultão; xeque Mohamed bin Zayed al-Nahyan, presidente dos Emirados Árabes Unidos; Abdel Fattah al-Sisi, presidente do Egito; Hamad bin Isa bin Salman al-Khalifa, rei do Bahrein; e Joe Biden, presidente dos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Panorama internacional
Príncipe saudita a Biden: tentar impor os valores de um país a outro pela força é contraproducente
Conforme o artigo, durante a reunião entre Biden e Muhammad bin Salman, o presidente norte-americano demonstrou que tinha abondado os princípios sagrados da política estadunidense, tentando chegar a um acordo de aumento da produção do petróleo.

"A reunião pessoal de Biden com Muhammad bin Salman, precedida pelo cordial e imprudente choque de punhos, conferiu ao príncipe herdeiro a legitimidade tanto desejada. Durante a visita, que visava o aumento do fornecimento do petróleo saudita, demonstrou o fato prejudicial de os Estados Unidos terem mudado os seus princípios de proteção de direitos humanos para a resolução dos problemas do presidente, relacionados com a política interna, provocados pela gasolina cara", destaca-se na publicação.

Enquanto os líderes norte-americanos repentinamente têm se manifestado contra conduzir quaisquer negociações com "ditadores árabes", Biden torna-se o primeiro presidente dos Estados Unidos a tentar fazê-lo. Segundo o The Washington Post, de certa forma se deve elogiar Biden por ter organizado uma coletiva de imprensa na Arábia Saudita, em que ele não hesitou em chamar o assassinato de Khashoggi de "vergonhoso" e disse ao príncipe herdeiro que o considerava "provavelmente" responsável.
Ao mesmo tempo, é de salientar que mais tarde as autoridades sauditas de forma pública negaram a versão da conversa entre os dois líderes, divulgada pela parte norte-americana. Claro que Muhammad bin Salman, por sua vez, não reconheceu violação nenhuma.
© AFP 2022 / Agência de Imprensa SauditaO rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, recebe o presidente norte-americano, Joe Biden, no palácio de Al-Salam em Gidá, segunda maior cidade do reino, 15 de julho de 2022
O rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, recebe o presidente norte-americano, Joe Biden, no palácio de Al-Salam em Gidá, segunda maior cidade do reino, 15 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 18.07.2022
O rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, recebe o presidente norte-americano, Joe Biden, no palácio de Al-Salam em Gidá, segunda maior cidade do reino, 15 de julho de 2022
No entanto, em geral durante a sua viagem pelo Oriente Médio, Biden se comportou de maneira silenciosa.

"Não expressou publicamente nenhuma crítica às políticas repressivas sauditas; não foi libertado nenhum prisioneiro político ou não foi perdoado nenhum opositor do regime, incluindo as pessoas que têm dupla cidadania, privadas da liberdade de movimentação na Arábia Saudita. Em vez disso, Biden promoveu as tréguas no Iêmen [que se estabeleceram antes da visita e não foram diretamente relacionadas com Biden] e os passos modestos na aproximação com Israel. [Joe Biden] parece ter apelado para aprofundar os laços entre os Estados Unidos e o reino, ao ter declarado o novo projeto de teste da tecnologia norte-americana 5G na Arábia Saudita", diz o artigo.

Além disso, quando a visita de Biden chegou ao fim, Muhammad bin Salman ainda não assumiu compromisso algum sobre o aumento da produção do petróleo. Segundo a publicação, contam que a Arábia Saudita possa influenciar a reunião da OPEP, prevista para o próximo mês, para mais uns milhares de barris entrarem no mercado petrolífero, mas mesmo tal medida vai afetar de forma insignificativa os preços do petróleo nos Estados Unidos.
Joe Biden, presidente dos EUA (centro à esquerda), e Mohammed bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro saudita (centro à direita), em um hotel de Jeddah, Arábia Saudita, 16 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Panorama internacional
Casa Branca espera que Oriente Médio tenha sempre EUA como 'primeira escolha' na cooperação
O presidente norte-americano também se reuniu na Arábia Saudita com o seu homólogo egípcio, Abdul Fatah Khalil Al-Sisi, que o The Washington Post descreve como "ditador, que mandou prender milhares de opositores políticos". Após a sessão de fotos de Joe Biden com o líder egípcio, a Casa Branca emitiu a declaração, em que apoiou os pedidos do Egito de o financiarem no Banco Mundial e no Fundo Monetário Internacional. Quanto ao campo de direitos humanos, apenas foi prometido conduzir "um diálogo construtivo".
Assim, segundo o artigo, o mandato presidencial que se iniciou com conversas valentes de uma nova abordagem, destinada a promover os direitos humanos, em relação ao mundo árabe, afinal voltou às políticas condescendes acerca de ditadores – mesmo mais condescendes do que as dos outros governos estadunidenses, incluindo o de Trump. Tem sido um momento difícil para Joe Biden, e deve passar muito tempo para ele o ultrapassar, conclui e edição norte-americana.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала