Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China vai manter postura proativa para facilitar negociações na Ucrânia

© Sputnik / Russian Foreign Ministry / Abrir o banco de imagensO ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi
O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi - Sputnik Brasil, 1920, 18.07.2022
Nos siga noTelegram
De acordo com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, Pequim vai manter uma postura firme e proativa para facilitar as negociações e a paz na Ucrânia.
"A China não é parte do conflito ucraniano, mas não vamos ser um espectador indiferente, muito menos jogar lenha na fogueira, sempre fomos firmes e consistentes na promoção da paz e das negociações", disse Wang em comunicado de imprensa do ministério emitido ao final da sua chamada telefônica com o ministro das Relações Exteriores húngaro, Peter Szijjarto.
O alto diplomata chinês convocou todas as partes envolvidas a discutir em uma mesa de negociações a criação de um sistema de segurança europeu equilibrado, eficaz e firme para alcançar uma paz duradoura.
O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou em 24 de fevereiro o lançamento de uma operação militar especial na Ucrânia, alegando que as repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL), anteriormente reconhecidas por Moscou como Estados soberanos, precisavam de ajuda diante dos ataques de Kiev que, conforme relatado, aumentaram a partir da segunda metade do mesmo mês.
Um dos objetivos fundamentais desta operação, segundo Putin, é a desmilitarização e desnazificação da Ucrânia.
Moscou e Kiev realizaram várias rodadas de negociações de paz, a última em março, mas desde então as partes não se encontraram novamente e, em meados de maio, Putin reconheceu que o processo de negociação está "praticamente suspenso".
Embaixador da China Zhang Jun em sessão no Conselho de Segurança da ONU no dia 25 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2022
Panorama internacional
OTAN não deve usar Ucrânia como 'desculpa' para criar nova Guerra Fria, diz China na ONU
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала