- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Vigilante afirma que atirador gritou 'aqui é Bolsonaro' antes de disparar contra petista em Foz

© Folhapress / FotoarenaMarcelo Arruda comemorava o aniversário de 50 anos quando foi morto por policial bolsonarista
Marcelo Arruda comemorava o aniversário de 50 anos quando foi morto por policial bolsonarista - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Nos siga noTelegram
Em depoimento prestado à Polícia Civil do Paraná, a vigilante Daniele Lima dos Santos afirmou que viu o policial penal Jorge Guaranho gritar pelo nome do presidente Jair Bolsonaro (PT) momentos antes de atirar e assasinar o guarda municipal Marcelo Arruda, em 9 de julho.
As declarações da vigia vieram a público neste domingo (17). Segundo o site G1, o depoimento consta no relatório final do inquérito.
No momento do ataque, Arruda estava celebrando seu aniversário de 50 anos em uma festa privada cujo tema de decoração era o Partido dos Trabalhadores (PT), ao qual era filiado, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
De acordo com a vigilante, ela estava fazendo inspeções na região quando viu um carro entrando na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu, na Vila A, com Jorge Guaranho e uma mulher dentro. Logo depois, ouviu o grito "aqui é Bolsonaro".
Em seguida, ela viu o carro sair bruscamente o local. Momentos depois, ela viu o mesmo veículo se aproximando em alta velocidade. Santos relatou que jogou sua motocicleta para o acostamento e que quase foi atropelada por Guaranho.
O carro entrou rapidamente na associação, relatou. Foi aí que, pela segunda vez, a vigilante ouviu o policial penal gritar "aqui é Bolsonaro", além de palavras de baixo calão. Logo em seguida, Guaranho iniciou o ataque com disparos.
O procurador-geral da República, Augusto Aras, durante sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), então sob a presidência do ministro Dias Toffoli, em 27 de abril de 2020 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 11.07.2022
Notícias do Brasil
Partidos são responsáveis por atos de adeptos se for provada conexão, diz Augusto Aras (VÍDEO)
Ainda assim, Camila Cecconello, delegada do caso, não acreditou o que o crime teve motivação política e levou em consideração o depoimento da mulher de Guaranho para suas conclusões finais sobre o caso.
Cecconello argumentou que, para ser enquadrado como crime político, seria preciso apontar um desejo de Guaranho de impedir os direitos políticos de Arruda. "Seria complicado de dizer", afirmou a delegada.
No caso em questão, ela afirmou que o depoimento da esposa de Guaranho apontou que ele voltou ao local "porque se sentiu humilhado" após a discussão.
A declaração gerou controvérsia, uma vez que os fatos apontam que Guaranho foi ao local após saber se tratar de uma festa temática petista. Ele estava em um churrasco quando foi informado sobre a celebração privada. Sem ter qualquer ligação com a vítima, ele foi ao local no intuito de provocar os participantes do evento.
Na noite de sexta-feira (15), após a polêmica em relação ao relatório final do inquérito (que foi encerrado em cinco dias), a delegada voltou atrás e disse que a perícia no celular de Guaranho pode trazer novos elementos que alterem os rumos da investigação.
O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PL), acompanhado de deputados favoráveis a projetos de flexibilização do controle de armas, durante assinatura de decreto presidencial que flexibiliza regras para colecionadores, atiradores desportivos e caçadores (CACs), em Brasília, em 7 de maio de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2022
Notícias do Brasil
Brasil armado: às vésperas das eleições, especialistas avaliam efeitos do aumento dos CACs no país
O Ministério Público do Paraná (MPPR) ainda deve oferecer denúncia para a Justiça. As conclusões do MPPR podem ser distintas das oferecidas pela polícia.
Na sexta (15), o promotor Tiago Lisboa Mendonça informou à mídia que tem um prazo de cinco dias úteis para finalizar o documento.
Porém, legalmente e caso ache necessário, ele pode fazer com que o inquérito volte para mais investigações e diligências policiais. Ele optou por não participar da entrevista coletiva que anunciou o final das investigações.
O policial penal foi indiciado por homicídio duplamente qualificado – por motivo torpe e por pôr em risco a vida de outras pessoas. A pena pode variar entre 12 e 30 anos de prisão.
Guaranho segue internado em estado grave. Ele foi atingido por disparos feitos por Arruda, que atirou contra ele no intuito de se proteger do ataque.
A família de Guaranho defende que o crime teve motivação política.
Um dos irmãos de Marcelo, que participou de um telefonema com o presidente Bolsonaro, também acredita que se tratou de um crime político, mesmo sendo apoiador do atual chefe do Executivo, de acordo com uma entrevista concedida a uma afiliada da TV Globo.
Anielle Franco, irmã de Marielle Franco, discursa durante ato de lançamento da pré-candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República, no Rio de Janeiro, em 7 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.07.2022
Notícias do Brasil
Eleições: 'Há tendência de ações violentas' além das expressas nas redes, alerta professor
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала