Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Borrell diz que sanções podem levar 'muito tempo' para surtir efeito e pede paciência a europeus

© AP Photo / Francois LenoirO alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Assuntos de Segurança, Josep Borrell (foto de arquivo)
O alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Assuntos de Segurança, Josep Borrell (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Nos siga noTelegram
Os países europeus devem ter paciência e aguardar o efeito das medidas restritivas do Ocidente contra a Rússia, afirmou o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell.
Segundo ele, cortar a "dependência energética estrutural da Rússia é muito importante".
Borrell avalia que o comércio entre a Rússia e a Europa que garante gás e petróleo ao continente "tem sido um obstáculo ao desenvolvimento de uma política europeia forte em relação às ações agressivas de Moscou".

"Essa rápida desintoxicação da energia russa envolve custos significativos para vários países e setores que teremos que enfrentar. No entanto, é o preço a pagar para defender nossas democracias e o direito internacional", disse Borrell.

Segundo o chefe da diplomacia da UE, a proibição da importação de produtos russos de alta tecnologia, em especial semicondutores, deve ter "impacto direto" nas empresas que produzem eletrônicos de consumo, computadores, aviões, carros ou equipamentos militares.

"A Rússia tentará substituir as importações por produtos domésticos. Isso foi feito, não sem sucesso, no setor agrícola após as sanções de 2014. No entanto, para produtos de alta tecnologia, é muito mais difícil de alcançar", disse.

Reservatórios da gigante petrolífera estatal russa OAO Rosneft, no campo petrolífero de Priobskoye perto de Nefteyugansk, oeste da Sibéria, Rússia, 5 de abril de 2006 - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Panorama internacional
Bloomberg: combustível russo evitado por países ocidentais está inundando Oriente Médio
Após o início da operação militar especial russa para ajudar a região de Donbass contra ataques de nacionalistas ucranianos, o Ocidente adotou uma série de medidas restritivas em larga escala contra Moscou. As sanções afetam o setor bancário, produtos de alta tecnologia, a exportação de combustíveis, como gás e petróleo, e parte das reservas internacionais russas.
O Kremlin critica as medidas, mas afirma que o a Rússia estava pronta para o cerco econômico ocidental.
A escalada de sanções impostas pelo Ocidente transformou a Rússia, de forma disparada, na nação mais sancionada do mundo, segundo a plataforma Castellum.ai, serviço de rastreamento de restrições econômicas no mundo.
No total, estão em vigor 11.411 medidas restritivas contra a Rússia, segundo os cálculos do site. A quantidade é mais que o triplo das 3.637 sanções impostas pelo Ocidente ao Irã. Na sequência, aparecem a Síria (2.614), a Coreia do Norte (2.111), Belarus (1.133), a Venezuela (651) e Mianmar (567).
O ex-primeiro-ministro e presidente, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, 15 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.07.2022
Panorama internacional
Medvedev: Rússia atingirá os objetivos da operação especial, até países ocidentais reconhecem isso
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала