Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Recuperação econômica pode tirar Venezuela do isolamento político na região, avaliam pesquisadores

© AP Photo / Vahid SalemiO presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante coletiva de imprensa conjunta com seu equivalente iraniano, Ebrahim Raisi, em Teerã, Irã, 11 de junho de 2022
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante coletiva de imprensa conjunta com seu equivalente iraniano, Ebrahim Raisi, em Teerã, Irã, 11 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Nos siga noTelegram
Após anos de turbulências, a Venezuela tem dado sinais de recuperação econômica com a inflação sob controle e previsão de crescimento do PIB. A Sputnik Brasil ouviu especialistas para discutir os limites dessa recuperação e os impactos desse cenário em um momento de profundas mudanças políticas na região e no mundo.
Depois de anos como símbolo de problemas econômicos na região, a Venezuela superou o ciclo da hiperinflação e dá sinais de recuperação. Conforme os dados mais recentes do Banco Central da Venezuela, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) — o indicador inflacionário do país — foi de 6,5% em maio. Em março, o índice chegou a 1,4%, o menor valor em dez anos.
Esta é a primeira vez, desde junho de 2015, que o INPC venezuelano está há mais de seis meses abaixo de 10%. O patamar, mantido desde setembro do ano passado, é muito distante dos altos números anteriores, que chegaram ao pico de 196,6% em janeiro de 2019.
A inflação não é o único dado econômico positivo do país. Segundo o painel do Fundo Monetário Internacional (FMI), o PIB da Venezuela deve voltar a crescer em 2022. A previsão da instituição é que o crescimento seja de 1,5% neste ano — o primeiro aumento desde 2013.
© AP Photo / Ariana CubillosO presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante a parada do Dia do Trabalho, em Caracas, 1º de maio de 2022
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante a parada do Dia do Trabalho, em Caracas, 1º de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante a parada do Dia do Trabalho, em Caracas, 1º de maio de 2022
Em meio à atual crise internacional, a Venezuela tem se beneficiado do aumento dos preços do petróleo e passou a ser cortejada tanto pelos Estados Unidos — que busca ampliar a oferta de energia devido às sanções contra Moscou — quanto por Rússia e China, com quem já tinha laços estreitos.
Em recente encontro com o chanceler russo, Sergei Lavrov, o chefe da diplomacia venezuelana, Carlos Faría, prometeu a integração de Caracas aos sistemas financeiros russo (SPFS) e chinês (CIPS) para driblar as sanções dos EUA e seus aliados.
A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas da área de relações internacionais para discutir os efeitos políticos da melhora do cenário econômico na Venezuela na região e no mundo.

Como uma Venezuela em recuperação impacta suas relações na região?

Para a pesquisadora de relações internacionais Denilde Holzhacker, professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de São Paulo, a recuperação econômica venezuelana ainda depende de sustentação ao longo do tempo para gerar impactos políticos na região. À Sputnik Brasil, a analista avalia que as melhoras ainda não são abrangentes e que há riscos conhecidos no contexto.
"[A recuperação] ainda está muito concentrada em Caracas e depende de uma continuidade de políticas para que tenha uma sustentação de fato, mas já é um fator importante para o país. [...] Ainda há situações de embargo e de limitação. A questão política ainda é um fator que limita a atuação da Venezuela de forma integrada com os outros países", aponta a pesquisadora, que destaca o aumento do preço do petróleo nesse processo de retomada.
© AP Photo / Ernesto VargasPetroleiro venezuelano caminha na refinaria de El Palito durante a chegada do petroleiro iraniano Fortune, perto de Puerto Cabello, Venezuela
Um petroleiro venezuelano caminha na refinaria de El Palito durante a chegada do petroleiro iraniano Fortune perto de Puerto Cabello, Venezuela - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Petroleiro venezuelano caminha na refinaria de El Palito durante a chegada do petroleiro iraniano Fortune, perto de Puerto Cabello, Venezuela
O papel do petróleo também é ressaltado pelo pesquisador Vinícius Rodrigues Vieira, professor de relações internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP). Vieira salienta que um possível aumento do PIB era esperado após a pandemia e considera a melhora na Venezuela "indissociável" do petróleo. Segundo ele, essa mudança deve tirar a Venezuela do isolamento regional.

"Nós temos na Venezuela um 'player' com o qual os países da região terão que lidar, sejam esses países democráticos ou não, de esquerda ou de direita. Então temos que voltar — para alguns a contragosto — a conversar com uma figura como o [presidente venezuelano, Nicolás] Maduro", afirma em entrevista à Sputnik Brasil.

Para Vieira, a melhora econômica na Venezuela impulsiona suas relações na região por uma questão "pragmática". Segundo ele, mesmo com diferenças políticas, as prioridades regionais são atualmente menos ideológicas e mais econômicas.

"[A Venezuela] é um mercado consumidor importante e é um mercado fornecedor importante. Não pode ser ignorado em um contexto de crise em que as cadeias globais de valor estão se desarranjando e se reorganizando a nível regional", aponta Vieira.

© Foto / Antonio Cruz/Agência BrasilO presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto
Na avaliação de Holzhacker, a melhora econômica venezuelana também é um fator de aproximação com os países da região. A pesquisadora destaca transformações geopolíticas como fatores relevantes nesse processo.
"A discussão sobre o processo eleitoral na Venezuela pode ser ainda um ponto de distanciamento. De todo modo, há um ambiente político e geopolítico diferente que faz com que as discussões sobre a Venezuela entrem em uma nova fase", afirma Holzhacker.
Ambos os pesquisadores também destacam que a reaproximação da Venezuela com os países da região seria reforçada em um eventual retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao governo. Apesar do potencial desse movimento de impactar o cenário político doméstico brasileiro, o histórico de governos petistas anteriores aponta para um papel de mediação do Brasil em relação à Venezuela no cenário global.

A Venezuela e o cenário geopolítico global

Ao longo dos últimos anos, Rússia e China se aproximaram da Venezuela em diversos setores, incluindo o militar e econômico, ao passo que os EUA e seus aliados ampliaram as pressões contra Maduro. Apesar disso, com as restrições impostas ao mercado de petróleo, a Casa Branca ensaia uma reaproximação pragmática com Caracas.
Para Denilde Holzhacker, a Venezuela ainda não é um motivador de disputa entre as potências na região, mas esse cenário está no horizonte. Segundo ela, é preciso avaliar o peso venezuelano sobre a posição dos EUA na região. A pesquisadora salienta que o alinhamento no atual quadro de disputa global é uma questão posta a todos os países da região.

"Estrategicamente, há mudanças em todos os governos [da região]. Em todos eles a discussão entre a aproximação, especialmente com a China, está colocada nas estratégias de política externa dos países. A Venezuela não vai fugir desse modelo que tem sido colocado por outros países", avalia a pesquisadora.

© AP Photo / Maxim ShemetovEm Moscou, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro (à esquerda), cumprimenta o presidente russo, Vladimir Putin, em 5 de dezembro de 2018
Em Moscou, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro (à esquerda), cumprimenta o presidente russo, Vladimir Putin, em 5 de dezembro de 2018 - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Em Moscou, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro (à esquerda), cumprimenta o presidente russo, Vladimir Putin, em 5 de dezembro de 2018. Foto de arquivo
Na visão do professor Vinícius Vieira, a Venezuela tem "jogado muito bem" ao manter bons laços com Rússia e China e ensaiar uma reaproximação com os EUA. Para ele, isso afasta maiores riscos de conflitos entre essas potências pela influência no país e na região.

"O risco haveria se a Venezuela fosse muito para o lado de Rússia e China e esses países se valessem disso para construir bases militares. [...] Os EUA se reaproximando e mantendo um fluxo econômico reduz muito as chances de conflito, o que é benéfico para os países vizinhos", conclui Vieira.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала