Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA temem que Irã já esteja de olho em quem matar para vingar assassinato de Soleimani, diz mídia

© AP Photo / Anmar KhalilApoiadores das Forças de Mobilização Popular assistem a procissão de aniversário do assassinato de Abu Mahdi al-Muhandis, com fotos dele e de Qassem Soleimani, em Najaf, Iraque, 4 de janeiro de 2021
Apoiadores das Forças de Mobilização Popular assistem a procissão de aniversário do assassinato de Abu Mahdi al-Muhandis, com fotos dele e de Qassem Soleimani, em Najaf, Iraque, 4 de janeiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Nos siga noTelegram
Autoridades norte-americanas acreditam que Irã pode tentar matar funcionários do atual governo dos EUA em retaliação ao assassinato de 2020 do comandante Qassem Soleimani, ex-chefe da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), escreve portal Yahoo News, citando relatório de inteligência dos EUA.
O documento observa que, de acordo com representantes de Washington, 2,5 anos após o assassinato de Soleimani, a ameaça de vingança de Teerã continua sendo alta.

"O governo iraniano está envolvido em uma campanha multifacetada que inclui ameaças de assassinato, emissão de mandados de prisão e sanções contra certos funcionários americanos para vingar a morte de 2020 do comandante do IRGC Soleimani, ameaçando no seu país e no exterior, aqueles que Teerã considera responsáveis pelo assassinato", detalha o relatório da inteligência.

O documento revela também que, "desde janeiro de 2021, Teerã tem publicamente declarado sua prontidão para realizar operações letais no território dos EUA" e que supostamente determinou as primeiras pessoas em Washington como alvos prioritários para um ato de vingança.

"É provável que o Irã esteja considerando o assassinato ou [a instauração] de um processo judicial de uma das autoridades dos EUA que considera ser equiparada em patente e status a Soleimani e que, em sua opinião, é responsável pela morte dele como um ato bem-sucedido de vingança", sugere a inteligência dos EUA.

Mulher segura retrato de Qassem Soleimani, general iraniano pertencente à Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), durante segundo aniversário de seu assassinato por ataque de drone, em Beirute, Líbano, 3 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.04.2022
Panorama internacional
Comandante do IRGC: matar todos os líderes dos EUA não vingará assassinato de Soleimani
Em abril deste ano, Mohammad Pakpour, comandante das forças terrestres do IRGC, declarou que a matança de todos os líderes dos EUA não seria suficiente para vingar o assassinato de Qassem Soleimani.
Soleimani foi assassinado em 3 de janeiro de 2020, com Abu Mahdi al-Muhandis, subcomandante das Forças de Mobilização Popular iraquianas, em um ataque de drone norte-americano contra seu carro no Aeroporto Internacional de Bagdá, em uma investida autorizada por Donald Trump, então presidente dos EUA (2017-2021).
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала