Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Bloomberg: Arábia Saudita pode decepcionar Biden que está desesperado em superar crise do petróleo

© Sputnik / Sergey Guneev / Abrir o banco de imagensMohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita
Mohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita - Sputnik Brasil, 1920, 14.07.2022
Nos siga noTelegram
O presidente norte-americano não poupava esforços para criticar a Arábia Saudita pelas violações de direitos humanos. Depois, os preços do petróleo afetaram a economia dos EUA de forma severa, ocasionando mudança de retórica de Biden, diz artigo da agência de notícias Bloomberg.
Joe Biden tem prometido "reorientar" as relações entre os EUA e a Arábia Saudita, mas ainda falta a resposta de uma das partes, com quem justamente Biden estava evitando ter contato, referindo-se à situação de direitos humanos no reino. A resposta saudita pode ser imprevisível, acreditam colunistas da Bloomberg.

"Após o início do conflito na Ucrânia, que estressou os mercados de energia, há alguns meses se tornou claro que o príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman, deixou de ser uma figura que o presidente norte-americano possa evitar, por estar procurando ajuda na luta contra o aumento súbito dos preços", diz a publicação.

Na sexta-feira (15), Biden vai visitar o país, que antes queria transformar em "pária". À visita, precedem meses da chamada "diplomacia de vaivém", efetuada por encarregados norte-americanos e que visava recuperar a aliança. Em outras circunstâncias, diz o artigo, a visita de Biden poderia servir como demonstração da influência norte-americana na região, mas no contexto de hoje a chegada de Biden a Jidá, segunda maior cidade da Arábia Saudita, assinala uma mudança da dinâmica nas políticas norte-americanas, por o aumento súbito dos preços de energia ter afetado de forma severa a economia norte-americana, enquanto a Arábia Saudita recebe um bilhão de dólares por dia com a venda de petróleo bruto.
Presidente norte-americano Joe Biden discursa na Casa Branca sobre a situação na zona de conflito no Oriente Médio, 20 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 12.07.2022
Panorama internacional
Em visita, Biden vai enfrentar um Oriente Médio com outros olhos para EUA, diz NYT
Os colunistas lembram que o príncipe Mohammad foi sujeito às críticas norte-americanas depois do assassinato em 2018 do jornalista do The Washington Post Jamal Khashoggi. Por sua vez, os assessores de Biden declararam que o tema de direitos humanos está no foco da sua primeira viagem ao Oriente Médio como presidente norte-americano.
Mesmo assim, nos últimos meses, levando em conta a crise petrolífera global, Joe Biden decidiu mudar a sua retórica em relação ao país do golfo. No seu artigo datado de 9 de julho, Biden comunica que o objetivo do seu governo tem sido reorientar as relações, em vez de romper, com o país, que tem sido um parceiro estratégico norte-americano nos últimos 80 anos.
Ao mesmo tempo, as previsões dos colunistas da Bloomberg em relação à resolução do impasse petrolífero, que Biden planeja superar, estão longe de ser positivas. Segundo a edição, os observadores esperam mais um aumento na produção do petróleo, mas trata-se de um aumento insignificativo e incapaz de influenciar os mercados de maneira fundamental.
"As edições pró-governamentais e figuras influentes nas redes sociais da Arábia Saudita descrevem a visita de Biden como triunfo da família real autocrática, bem como a demonstração da importância do reino no mundo, que ainda depende de combustíveis fósseis", salienta a Bloomberg.
Uma chama queima em uma refinaria então operada pela Shell e atualmente de posse da mexicana Pemex, em Deer Park, Texas, EUA, 31 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 13.07.2022
Panorama internacional
Era do petróleo caro veio para ficar, diz Bloomberg
Afinal de contas, se a Arábia Saudita do passado atuava como uma jogadora cautelosa e submissa, agora o país demonstra um comportamento muito mais insistente, principalmente devido ao príncipe herdeiro Mohammad bin Salman, que está muito mais aberto ao desenvolvimento dos laços com a Rússia e a China e está prestes a resistir à Casa Branca, exigindo respeito, em vez de aprovação, conclui a publicação.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала