- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Mourão diz que Forças Armadas não respeitam Lula e que ex-presidente 'vem falando muita bobagem'

© Folhapress / Antonio MachadoO vice-presidente Hamilton Mourão participa de almoço na CIC de Caxias do Sul (RS), 12 julho de 2022
O vice-presidente Hamilton Mourão participa de almoço na CIC de Caxias do Sul (RS), 12 julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 13.07.2022
Nos siga noTelegram
Em comentários sobre vários assuntos, Mourão também afirmou que ele e Bolsonaro "concordam no atacado, mas têm algumas divergências no varejo" e que o orçamento secreto feito pelo Congresso e não pelo Executivo é porta de entrada para corrupção.
Chegando quase ao final de seu mandato como vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão, concedeu uma série de declarações à revista Veja ontem (12) sobre a gestão do atual governo, seus "estranhamentos" com Bolsonaro, seu legado como vice e opiniões sobre o ex-presidente Lula.
Para Mourão, por conta da pandemia e do conflito na Ucrânia o governo se encaminha ao final sem ter concluído "algumas reformas que eram essenciais como a administrativa e a tributária, [as quais] entraram em compasso de espera e, consequentemente, são temas que temos que rever agora à frente".
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, dá entrevista coletiva após a 7ª Reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal - Sputnik Brasil, 1920, 24.05.2022
Notícias do Brasil
Mourão afirma que mudança na presidência da Petrobras foi decisão de Bolsonaro: 'Segue o baile'
Sobre sua relação com Jair Bolsonaro (PL), o general acredita que não houve tensão entre os dois, mas sim um problema "de comunicação" que fez com que as mensagens chegassem "truncadas", ressaltando ainda que os dois se respeitam. Entretanto, diz também que que "estava pronto para acompanhar o presidente", mas que "pela sinalização que ele [Bolsonaro] me deu, que ele selecionaria outra pessoa [para ser vice], aí o que eu vou fazer"?, indagou.
"Ele disse: 'Você vai procurando um outro caminho que eu estou pensando em outra pessoa'. Foi tudo muito natural. Eu acho que às vezes o cara procura alguém com o pensamento mais homogêneo. Nós concordamos no atacado, mas temos algumas divergências no varejo", afirmou.
Sobre o clima de incerteza e insegurança que ronda o pleito deste ano, Mourão considera que não haverá problemas uma vez que as "Forças Armadas e o Ministério da Defesa já disseram que ninguém vai interferir em nada no processo eleitoral", no entanto, quem estaria fomentando o clima de um segundo Capitólio (fazendo referência ao que aconteceu nos EUA na eleição de Joe Bide) é criado por "uma parcela da imprensa".
Presidente da República Jair Bolsonaro discursa no Rio de Janeiro, em 19 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.05.2022
Notícias do Brasil
Bolsonaro defende Forças Armadas nas eleições e diz que 'há uma democracia que é o voto contado'
Ao se falar em Forças Armadas, a revista questiona Mourão se a corporação respeita o ex-presidente Lula. O vice-presidente diz que não e que quando se bate continência é "para o cargo" e não pela pessoa.
"Ele pode não ter o respeito, mas vamos dizer assim, como vou dizer […] ele tem o cargo. A gente quando faz continência para um superior, a gente não saúda a pessoa, a gente saúda o posto. Ele será saudado pelo posto que ocupará", respondeu, acrescentando que o petista "fala muita bobagem".
Mourão também afirma que é contra o orçamento secreto e que o Congresso "tomou de assalto o orçamento". Em sua visão, quem tem que fazer a "execução orçamentária é o Executivo, como o próprio nome está dizendo", e que passar isso para as mãos do Congresso "leva ao desperdício, ao gasto fora de controle e a possibilidade para corrupção".
O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), chega ao Congresso Nacional, em Brasília, em 21 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Notícias do Brasil
Lira cria 'salinha do orçamento secreto' para distribuir verbas antes das eleições, diz mídia
Nestas eleições, Mourão vai concorrer a uma vaga no Senado Federal pelo Rio Grande do Sul. Sobre a decisão, ele afirma que "[…] posso ir pra casa e não fazer mais nada, afinal já está de bom tamanho, 50 anos de trabalho. Mas, como gozo de boa saúde e aproveitando essa capacidade que acredito que tenho de coordenação de projeto vou concorrer ao Senado".
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала