Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China exorta países da Ásia a não virarem 'peças de xadrez' de grandes potências

© AP Photo / Mark SchiefelbeinO ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi fala durante um evento promocional no Ministério das Relações Exteriores em Pequim, 20 de outubro de 2021
O ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi fala durante um evento promocional no Ministério das Relações Exteriores em Pequim, 20 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 11.07.2022
Nos siga noTelegram
Wang Yi, ministro das Relações Exteriores da China, falou com Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, e à ASEAN, deixando claro que os países da região devem decidir seu próprio destino.
Os países da Ásia-Pacífico não devem permitir que sejam usados como "peças de xadrez" por potências globais, sugeriu na segunda-feira (11) Wang Yi, ministro das Relações Exteriores da China.
"Devemos isolar esta região dos cálculos geopolíticos [...] de ser usada como peças de xadrez da grande rivalidade de poder e da coerção. O futuro da nossa região deveria estar em nossas próprias mãos", falou ele em discurso à Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla em inglês) em Jacarta, Indonésia, citado na segunda-feira (11) pela agência britânica Reuters.
Wang Yi, ministro das Relações Exteriores da China, durante encontro com Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA (fora da foto) em Bali, Indonésia, 9 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 10.07.2022
Panorama internacional
Pequim: Austrália deve acumular 'energia positiva' em vez de tratar a China como adversária e ameaça
Yi também descreveu como "franco" o encontro de cinco horas que teve com Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, tendo apontado a ele que os dois lados devem discutir a criação de regras de interações positivas e apoiar o regionalismo na Ásia-Pacífico.
"Os elementos centrais são apoiar a centralidade da ASEAN, manter a estrutura existente de corporações regionais e respeitar os direitos e interesses legítimos uns dos outros na Ásia-Pacífico, em vez de procurar antagonizar ou conter o outro lado", disse Wang.
Sobre Taiwan, Wang sublinhou que "os dois lados do estreito [de Taiwan] desfrutarão de desenvolvimento pacífico", mas que "quando o princípio de Uma Só China for desafiado arbitrariamente ou até sabotado, haverá nuvens negras ou até tempestades ferozes no estreito".
A República Popular da China (RPC), formada em 1949, considera Taiwan, cuja independência nunca reconheceu, um território renegado que está destinado a se reunificar um dia como parte de uma China unificada. Já os EUA, apesar de reconhecerem nominalmente a RPC como única representante da China desde 1979, assinaram no mesmo ano o Ato das Relações de Taiwan, sob o qual Taipé e Washington mantêm relações bilaterais não oficiais, incluindo apoio militar à ilha.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала