Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA não terão sucesso em construir aliança contra Rússia no G20, afirma analista

© AFP 2022 / DITA ALANGKARAA ministra das Relações Exteriores da Indonésia, Retno Marsudi, cumprimenta o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, durante sua reunião bilateral antes da Reunião dos Ministros das Relações Exteriores do G20 em Nusa Dua, 7 de julho de 2022
A ministra das Relações Exteriores da Indonésia, Retno Marsudi, cumprimenta o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, durante sua reunião bilateral antes da Reunião dos Ministros das Relações Exteriores do G20 em Nusa Dua, 7 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 09.07.2022
Nos siga noTelegram
Observadores chineses alegam que, na reunião dos ministros das Relações Exteriores do G20, na sexta-feira (8), os EUA tentaram dividir o bloco ao incitar a confrontos de diferentes naturezas devido aos eventos na Ucrânia.
De acordo com o Global Times, observadores chineses de política externa sublinham que o apelo ao multilateralismo de Pequim dentro do G20 reflete as vozes dos países em desenvolvimento e economias emergentes em busca de esforços conjuntos para enfrentar os desafios globais.
Em discurso na reunião dos ministros das Relações Exteriores do G20, realizada na ilha indonésia de Bali, o conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, exortou ao verdadeiro multilateralismo, à cooperação ganha-ganha e ao alcance de inclusão e conectividade dentro da estrutura do G20, fala ecoada pela atual presidente do G20, .
O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o multilateralismo não é uma opção, mas uma obrigação, expressando esperança de que os países o realizem plenamente com ações concretas.
A competição entre países deve ser justa e não uma competição viciada ou mesmo um confronto malicioso, observou Wang, acrescentando que a atual política econômica americana em relação à China vai contra a tendência dos tempos e está destinada a falhar.
Míssil Trident II D5 desarmado é lançado do submarino de mísseis balísticos USS Rhode Island, da classe Ohio (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 09.07.2022
Panorama internacional
General dos EUA revela principais alvos de ataque em caso de conflito com China
Para além das questões multilaterais, o representante chinês também destacou que a China vai continuar insistindo em negociações de paz, promovendo o diálogo sobre a questão da Ucrânia, sempre ao lado da paz, garantiu ele.
O pesquisador sênior do Instituto de Estudos Internacionais da China, Yang Xiyu, disse ao Global Times na sexta-feira que a posição e as propostas da China, que estão alinhadas com a direção de desenvolvimento do G20, certamente vão ter um impacto muito importante e de longo alcance no mundo.
Segundo o pesquisador, a essência do verdadeiro multilateralismo que a China está defendendo é que todos os países, grandes ou pequenos, tenham igual soberania, o que reflete precisamente a aspiração dos países em desenvolvimento, incluindo a atual presidência do G20, a Indonésia.
As autoridades dos EUA anunciaram estar determinadas a não permitir que distrações desviassem a atenção do que eles acreditam que deviam ser os focos principais da reunião: as interrupções do suprimento mundial de alimentos e energia supostamente causadas pela operação militar especial da Rússia na Ucrânia, algo que Moscou negou repetidamente, pontuando os sucessivos erros econômicos do Ocidente e suas sanções.
O ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, fala durante um evento promocional na sede da pasta, em Pequim, China, 20 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Panorama internacional
Crise ucraniana é pretexto para sanções contra China, diz MRE chinês
A crise alimentar global deveria ser tratada por meio de esforços conjuntos, mas os EUA e o Ocidente tratam a crise alimentar como uma questão geopolítica, disse Yang, observando que parecia ao Ocidente que a insegurança alimentar global não existiria sem a crise ucraniana.
O pesquisador da Academia Chinesa de Ciências Sociais, Lü Xiang, declarou ao Global Times, ainda na sexta-feira que foram as sanções econômicas impostas pelos EUA e alguns de seus aliados à Rússia que causaram o colapso econômico global, e o impacto não foi apenas limitado à Rússia, se estendendo muitos outros países.
O presidente dos EUA, Joe Biden, depositou suas esperanças nessas sanções para derrubar a Rússia, mas, ironicamente, elas só resultaram em sofrimento econômico para os EUA e a Europa, disse ele.
A tentativa dos EUA e de seus aliados de estimular o confronto no bloco pode enfraquecer os esforços conjuntos dos membros do G20 e minar a cooperação global para lidar com desafios econômicos urgentes, mas não terá sucesso em construir uma aliança contra a Rússia no grupo, alertaram os analistas.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала