Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Caos econômico nos EUA gerado por Biden pode levar Trump de volta ao poder, diz especialista

© AP Photo / Andrew HarnikJoe Biden, presidente dos EUA, fala durante visita à empresa United Performance Metals, em Hamilton, Ohio, EUA, 6 de maio de 2022
Joe Biden, presidente dos EUA, fala durante visita à empresa United Performance Metals, em Hamilton, Ohio, EUA, 6 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 08.07.2022
Nos siga noTelegram
Especiais
Especialista diz que a inflação nos EUA gerada pelas sanções contra a Rússia pode abrir caminho para o retorno da direita ligada ao ex-presidente Donald Trump no país.
A maior economia do mundo está em apuros. O produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos fechou o primeiro trimestre deste ano em 1,6%, um recuo significativo frente aos 6,9% registrados no trimestre anterior; a inflação chegou perto dos dois dígitos em maio, fechando o mês em 8,6%, o maior percentual dos últimos 40 anos; os preços dos combustíveis dispararam, e atualmente o galão de gasolina nos EUA é vendido por cerca de US$ 4,8 (cerca de R$ 25,60); e os produtos agrícolas foram impactados pela alta dos combustíveis, e os alimentos ficaram mais caros para o consumidor.
Essa espiral descendente da economia americana tem como pano de fundo — e um dos fatores causadores — o conflito entre Rússia e Ucrânia. O presidente americano, Joe Biden, está engajado em uma política de intervenção no conflito, que tem como principal arma as sanções econômicas contra a Rússia.
Para entender quais podem ser as consequências dessa política de Biden, a Sputnik Brasil entrevistou Vinícius Rodrigues Vieira, doutor em relações internacionais pelo Nuffield College e professor de relações internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).
O presidente dos EUA, Joe Biden, fala durante encontro virtual com governadores democratas sobre o direito ao aborto legal, na Casa Branca, 1º de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 02.07.2022
Panorama internacional
'Façam isso agora': Biden pede que postos de gasolina baixem os preços
Primeiro, Vieira explica que Biden e a União Europeia (UE) foram levados a intervir no conflito por conta da pressão gerada pela decisão do presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, de ficar em Kiev. Essa decisão eliminou para os EUA e a UE a opção mais sensata de resolver a questão da adesão ucraniana à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) por meio de um acordo com a Rússia. E a opção que restou foi apoiar Zelensky a qualquer custo.
Segundo Vieira, não intervir de alguma forma geraria críticas a Biden por parte da opinião pública americana, em especial a parcela da população que ele intitula de "base urbana metropolitana cosmopolita do Partido Democrata", que elegeu Joe Biden. Vieira afirma que essa parcela da população enxerga a intervenção "como uma defesa dos valores liberais defendidos pelos EUA" e ainda considera o país "uma potência unipolar". Entretanto essa mesma parcela "tem dificuldade em entender que seu apoio à guerra contra Putin, seu apoio à Ucrânia, é o que provoca a inflação nos EUA".
Vieira lista como principal erro de Biden e da UE o uso de sanções como forma de tentar constranger Vladimir Putin. Segundo ele, essa decisão "foi um tiro no pé do Ocidente", pois causou indiretamente inflação nos EUA.

"Sanções impedem o livre fluxo de bens, de comércio. O conflito por si só já causaria turbulências nesse sentido, mas as sanções apenas agravaram essas turbulências", diz Vieira.

Em contraponto, "a Rússia tem hoje o rublo mais valorizado do que antes, consegue comercializar com ajuda da China e da Índia".
Vieira diz não ter dúvida de que o uso das sanções foi responsável, mesmo que indiretamente, pelo derretimento da popularidade de Biden. Uma recente pesquisa de opinião da Reuters/Ipsos apontou que 57% dos americanos estavam insatisfeitos com o governo Biden. Paralelamente, 71% dos eleitores americanos não querem que ele tente a reeleição, e, nos bastidores, o Partido Democrata já estuda descartar o presidente, dependendo dos resultados das eleições legislativas de novembro.
Tanques de armazenamento da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA no Terminal Sunoco, perto de Nederland, Texas - Sputnik Brasil, 1920, 30.06.2022
Panorama internacional
Reserva de petróleo dos EUA cai para níveis mais baixos desde 1985, em meio a alta de preços no país
Para os democratas, as perspectivas para as eleições legislativas não são boas. Vieira explica que o aumento da inflação ameaça levar o partido a uma derrota acachapante. Ele destaca que, embora outras questões comportamentais e culturais tenham causado agitação no cenário interno, é a economia que se configura como o principal fator que pode fazer com que o partido do governo seja punido com perda de assentos no Congresso.
Questionado sobre a possibilidade de o cenário atual levar a um recrudescimento de força do Partido Republicano, Vieira diz que "não há dúvidas que sim", a chance de os republicanos retornarem ao poder é real. Mas, segundo Vieira, não "os republicanos tradicionais, que são conservadores, mas são (ou eram) favoráveis ao livre mercado e tinham respeito pelas instituições americanas". Quem pode retornar ao poder, segundo ele, é a ala mais populista de direita do partido, apoiada por Donald Trump, com viés isolacionista e interesses de "solapar a democracia americana".

"Uma derrota de Biden hoje, infelizmente, é uma derrota da democracia americana. A ala populista do Partido Republicano cresceu muito e é aquela que mais se beneficia com a queda de Joe Biden", diz Vieira.

Vieira finaliza afirmando que "se os republicanos forem capazes de não apenas ganhar maioria neste ano [no Congresso], mas de voltar à Casa Branca em 2024, será bastante forte essa reação, mais isolacionista e refratária ao envolvimento com grandes questões internacionais".
Trader em Wall Street observa queda brusca no índice Dow Jones, em Agosto de 2019.  - Sputnik Brasil, 1920, 05.07.2022
Panorama internacional
Wall Street alerta para possibilidade de recessão nos EUA, segundo mídia
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала