Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Beligerância contra a Rússia provavelmente é única 'conquista' do legado de Johnson no Reino Unido

© AP Photo / Alberto PezzaliO primeiro-ministro Boris Johnson entra na 10 Downing Street, depois de ler seu comunicado de renúncia, 7 de julho de 2022
O primeiro-ministro Boris Johnson entra na 10 Downing Street, depois de ler seu comunicado de renúncia, 7 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 08.07.2022
Nos siga noTelegram
Além de retirar formalmente o Reino Unido da União Europeia e preparar o terreno para um relacionamento desconfortável pós-Brexit com o bloco, é provável que a atitude hostil do primeiro-ministro Boris Johnson em relação à Rússia devido à crise na Ucrânia deva ser seu legado mais duradouro e importante, disseram especialistas à Sputnik.
Johnson renunciou na quinta-feira (7) devido a um escândalo de má conduta sexual envolvendo um legislador sênior de seu partido.
Ele anunciou sua saída depois que mais de 40 membros do parlamento de seu próprio Partido Conservador, no poder, abandonaram seu governo e pediram que ele renunciasse, encerrando assim seu mandato de três anos, durante os quais ele conduziu o país por uma versão dura do Brexit e arquitetou a resposta do governo do país à crise na Ucrânia.
Johnson continuará a cumprir o papel de líder do partido e primeiro-ministro até que seu sucessor seja nomeado.
Primeiro-ministro britânico Boris Johnson caminha por Downing street, depois de o Partido Conservador vencer as eleições antecipadas para a Câmara dos Comuns, 13 de dezembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 08.07.2022
Panorama internacional
Johnson dizimou laços britânicos com China e Rússia, sua renúncia favorece todos, diz analista

Hostilidade contínua

"O principal legado de Johnson, que provavelmente será seguido por qualquer sucessor, é uma abordagem beligerante em relação à Rússia, que passa como uma das poucas 'conquistas' com as quais quase todos os comentaristas britânicos estão preparados para creditá-lo", declarou à Sputnik Peter Ford, ex-embaixador do Reino Unido na Síria e comentarista político.

As políticas de confronto de Johnson em relação à Rússia provavelmente durarão, seja quem for seu sucessor, alertou o ex-diplomata.
"Johnson caiu não por questões políticas importantes, mas por questões de conduta relativamente triviais. Seu sucessor, portanto, não está sob pressão óbvia para mudar a posição de Johnson sobre o Brexit, a Rússia e a Ucrânia", disse ele.
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, caminha até o presidente norte-americano, Donald Trump - Sputnik Brasil, 1920, 08.07.2022
Panorama internacional
Por que Johnson ao final renunciou e Trump nunca o fez? The Washigton Post responde
Pelo menos o tom estridente de retórica de Johnson em relação à Rússia, especialmente sobre o conflito na Ucrânia, provavelmente diminuiria, já que seu sucessor não precisaria disso para diminuir os escândalos tal como o primeiro-ministro que deixou o cargo, sugeriu Ford.
"O único vislumbre de esperança vem do fato de que o sucessor de Johnson deve ser menos tentado a se gabar sobre a Ucrânia para desviar a atenção dos escândalos", opinou.
No entanto, o sucessor de Johnson vai enfrentar um legado de má gestão econômica, continuou Ford.
Candidato à presidência Ciro Gomes, segundo analista, o candidato critica o petismo e o bolsonarismo, abarcando eleitores que desconsideram Lula e Bolsonaro como opções para 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Notícias do Brasil
Ciro: Boris Johnson é um 'trumpista defasado' que 'já vai tarde', em breve 'irá Bolsonaro'
"Deve ser considerado altamente provável que o sucessor de Johnson não consiga fazer muito progresso na redução da inflação antes das próximas eleições. Isso se deve ao venenoso legado econômico de Johnson: bloqueios devastadores, criação de dinheiro absurdamente alta para pagar por eles, sanções contra a Rússia que provocam uma crise de energia e políticas climáticas absurdamente irreais", disse ele.
No entanto, o Partido Trabalhista, da oposição, provavelmente não se sairia muito melhor se vencesse as próximas eleições gerais do Reino Unido, previu Ford.
"Assim, deve ser altamente provável que [Keir] Starmer [do Partido Trabalhista], que tem políticas igualmente ruins em todas essas questões, lidere o próximo governo", disse ele.
Então primeiro-ministro britânico, Boris Johnson deixa a sede do governo, no centro de Londres, em 2 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Panorama internacional
Saída de Johnson não ameaça a aproximação entre Reino Unido e Brasil, diz especialista

Confusão continua mesmo sem Johnson a conduzindo

O ex-secretário adjunto de Defesa dos EUA para Assuntos de Segurança Internacional, Chas Freeman, concordou com essa avaliação sombria.
"A confusão vai continuar", disse ele à Sputnik.
O comentarista político irlandês Finian Cunningham também prognosticou que as políticas hostis do Reino Unido à Rússia, em subserviência aos Estados Unidos, certamente continuariam.
"Com Johnson fora, no entanto, não vejo muita melhora nas políticas do Reino Unido em relação à Rússia ou à China. O establishment britânico está em sintonia com a guerra imperial dos EUA em relação à Rússia e à China. Boris é um palhaço, mas o circo continua com os mesmos diretores do picadeiro", criticou.
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, volta à 10 Downing Street, no centro de Londres, em 7 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Panorama internacional
De conselhos ilegais à rainha a escândalos de assédio: o que levou Boris Johnson a renunciar?

Fantoche da OTAN

Cunningham também concordou com Ford que nada mudaria mesmo se Starmer e seu Partido Trabalhista assumissem o poder.
"Isso vale para o fantoche trabalhista Keir Starmer. Ele é um fantoche da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte] tanto quanto Johnson, apenas com os cabelos penteados e fala e ternos mais arrumados", disse ele.
O Reino Unido também permanecerá comprometido com sua política sobre o problema irlandês, continuou Cunningham.
"Também não vejo muita melhora nas relações irlandesas. A questão irlandesa sempre permanecerá problemática enquanto a Inglaterra continuar sua interferência nos direitos nacionais da Irlanda. A única solução viável e justa é uma Irlanda unida. Nenhum político britânico na cena de hoje tem inteligência, entendimento ou princípios para concluir isso", disse ele.
No entanto, a saída de Johnson é bem-vinda, avaliou Cunningham.
Primeiro-ministro britânico Boris Johnson depois de ler um comunicado do lado de fora de 10 Downing Street, Londres, de renúncia formal como líder do Partido Conservador, 7 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Panorama internacional
Quem vai liderar o Partido Conservador britânico depois da renúncia de Boris Johnson?

'Momento louco e fugaz' na história britânica

Nenhum dos sucessos alegados por Johnson resistiria ou passaria por escrutínio no futuro, acredita Cunningham.
"Legado: um vigarista e charlatão que infligiu o povo britânico com sua arrogância e incompetência. Como muitas coisas superestimadas, Johnson logo será esquecido e lembrado apenas se for com um sorriso confuso como um momento louco e fugaz na história política britânica", avaliou.
Johnson estava lidando com pedidos de renúncia depois que uma série de revelações mostrou que várias reuniões sociais foram realizadas em seus escritórios ao longo de 2021, desrespeitando as regras de distanciamento social do COVID-19.
A situação foi agravada pelos relatos de que mais duas festas foram realizadas em 16 de abril do ano passado, logo antes do funeral do príncipe Philip, quando o Reino Unido ainda mantinha as restrições ao COVID-19 e estava em luto nacional.
Johnson depois se desculpou e disse que pagou a multa emitida pela Polícia Metropolitana.
No entanto, Johnson foi derrubado por outro escândalo. Ele foi acusado de estar ciente das alegações de má conduta sexual contra Christopher Pincher, enquanto ainda o nomeava como vice-chefe do Partido Conservador. Pincher renunciou no final de junho devido a alegações de que ele apalpou dois homens em um clube privado.
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a secretária de Estado do Reino Unido, Liz Truss - Sputnik Brasil, 1920, 16.04.2022
Panorama internacional
Rússia proíbe entrada no país a Boris Johnson, ministros do Exterior e Defesa britânicos
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала