Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

The Washington Post: estratégia de Biden em relação à Ucrânia corre risco de prolongar o conflito

© AFP 2022 / Nicholas KammJoe Biden, presidente dos EUA, fala durante convenção no Centro de Convenções de Filaldélfia, Filadélfia, EUA, 14 de junho de 2022
Joe Biden, presidente dos EUA, fala durante convenção no Centro de Convenções de Filaldélfia, Filadélfia, EUA, 14 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Nos siga noTelegram
A estratégia da administração Biden em relação à Ucrânia é totalmente errada, porque só visa o prolongamento do conflito em vez de sua resolução, acredita o colunista do The Washington Post Josh Rogin.
Na semana passada, os Estados Unidos e seus parceiros da OTAN se reuniram em Madri a fim de "demonstrar sua unidade no apoio à Ucrânia". Contudo, nesta semana, diz o artigo, no terreno a realidade está se tornando mais sombria: as forças ucranianas carecem das armas de que precisam para combater em Donbass e outras regiões e têm cada vez menos capacidades para lutar.

"As forças ucranianas não têm as armas que precisam para resistir ao ataque russo no leste, muito menos para empurrar as tropas russas" para as fronteiras anteriores, escreve o autor.

Segundo a edição, nos próprios EUA aumentam as preocupações quanto à estratégia do presidente Biden, que significa dar a Kiev apenas armas suficientes para manter um impasse violento, mas não para vencer o conflito.
De acordo com Josh Rogin, colunista do The Washington Post, o inverno [no Hemisfério Norte] está chegando, o que na prática significa que "se a Rússia seguir controlando uma importante parte do território ucraniano, quando a região de Donbass congelar, será mais difícil, senão impossível, reverter os ganhos da Rússia na primavera".
Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, responde às perguntas dos jornalistas após reunião do Conselho OTAN-Rússia em Bruxelas  - Sputnik Brasil, 1920, 22.06.2022
Panorama internacional
Derrota na Ucrânia significaria fim da OTAN, diz ex-inspetor de armamento da ONU
O colunista cita as palavras do senador norte-americano, membro do Comitê de Relações Exteriores, o republicano James E. Risch (Idaho).
"Se continuarmos apenas dando armas para combater, o que só leva a um impasse, a situação não será boa e isso vai acarretar consequências", acredita. "Precisamos entrar ou sair [do conflito]. E se estivermos dentro, precisaremos dar a eles o que precisarem para vencer."
"Em Madri, Biden prometeu que os Estados Unidos e a Europa apoiariam a Ucrânia durante o período necessário. Mas ele não disse que daria à Ucrânia os meios para encurtar esse período. Ainda que os Estados Unidos tenham prometido bilhões para apoiar as tropas ucranianas, apenas uma parcela desses recursos chegou, deixando os militares ucranianos mal equipados", afirma Josh Rogin.
Em privado, certos funcionários do governo norte-americano, comunica o colunista, lhe disseram que os atrasos no fornecimento dos armamentos não eram resultado de nenhum problema com a entrega real das armas. Pelo contrário, o principal problema é a discordância dentro da equipe Biden, que surge com cada nova decisão sobre armas.
Como o senador republicano comunicou ao autor do artigo, trata-se de uma preocupação de que, se as tropas russas enfrentarem uma ofensiva bem-sucedida da Ucrânia, poderão avançar no território ucraniano ainda mais.
© Sputnik / STRINGER / Abrir o banco de imagensPresidente norte-americano Joe Biden junto com primeira-ministra sueca Magdalena Andersson e presidente finlandês Sauli Niinisto durante declaração conjunta para imprensa após reunião na Casa Branca
Presidente norte-americano Joe Biden junto com primeira-ministra sueca Magdalena Andersson e presidente finlandês Sauli Niinisto durante declaração conjunta para imprensa após reunião na Casa Branca  - Sputnik Brasil, 1920, 07.07.2022
Presidente norte-americano Joe Biden junto com primeira-ministra sueca Magdalena Andersson e presidente finlandês Sauli Niinisto durante declaração conjunta para imprensa após reunião na Casa Branca
"Como resultado, [a Casa Branca] está tomando uma via intermédia", salienta-se na publicação.
A chamada via intermédia também é seguida por outros países do Ocidente, que obviamente priorizam o apoio à Ucrânia em vez do alcance rápido da paz, que poderia evitar perdas de ambos os lados. Assim, no fim de junho a secretária de Relações Exteriores britânica Liz Truss afirmou que era preciso fornecer à Ucrânia todo o apoio possível em vez de tentar chegar à paz, acrescentando que a OTAN devia aumentar sua presença na região e lhe dar um caráter "mais permanente".
A Rússia iniciou sua operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro, com o objetivo de "desmilitarizar e desnazificar" o país vizinho, após as repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL) pedirem ajuda para se defenderem da intensificação dos ataques ucranianos.
Segundo o Ministério da Defesa russo, somente a infraestrutura militar ucraniana está sendo visada. Moscou já reiterou, por diversas vezes, que não tem planos de ocupar o país. Os países do Ocidente, em resposta à operação russa, lançaram uma campanha de sanções sem precedentes contra Moscou.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала