Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Mídia chinesa: plano de infraestruturas do G7 visa 'a divisão e a competição' em vez da globalização

© AFP 2022 / Ludovic MarinDa esquerda à direita em frente de uma mesa, no último dia da cúpula do G7, Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, Joe Biden, presidente dos EUA, Olaf Scholz, chanceler da Alemanha, Emmanuel Macron, presidente da França, e Mario Draghi, primeiro-ministro de Itália, no Castelo Elmau, Alemanha, 28 de junho de 2022
Da esquerda à direita em frente de uma mesa, no último dia da cúpula do G7, Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, Joe Biden, presidente dos EUA, Olaf Scholz, chanceler da Alemanha, Emmanuel Macron, presidente da França, e Mario Draghi, primeiro-ministro de Itália, no Castelo Elmau, Alemanha, 28 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2022
Nos siga noTelegram
O jornal South China Morning Post criticou o plano de investimentos globais do G7, que "parece visar a divisão e a competição" em vez de se juntar aos esforços de globalização da China.
O projeto de infraestruturas anunciado pelo G7 na sua última cúpula cria divisões desnecessárias com o objetivo de visar a China, diz o jornal South China Morning Post (SCMP).
O jornal defendeu em um artigo de opinião que a globalização tem "uma história comprovada de fazer do mundo um lugar melhor" e que o projeto da Rota da Seda da China, iniciado em 2013, tem esse como objetivo principal.
Enquanto isso, o plano do G7 "deveria estar dentro do mesmo espírito e ter em mente a integração, mas, em vez disso, parece visar a divisão e a competição", com Joe Biden, presidente dos EUA, falando de democracias trabalhando juntas para triunfar sobre as autocracias. Ele proclamou que a iniciativa se focaria em combater a mudança climática e melhorar a saúde, igualdade de gênero e arquitetura digital.
"Uma declaração emitida após a cúpula mencionou 14 vezes a China, criticando-a por seus laços com a Rússia, seu histórico de direitos humanos e queixas sobre seu papel na economia global", escreveu o SCMP, acrescentando que os EUA e aliados falam da Rota da Seda como reforçando o posicionamento econômico e estratégico da China e que seus projetos são armadilhas de dívidas.
No entanto, o SCMP cita as estimativas do Banco Mundial, que vê benefícios de até US$ 1,6 trilhão (R$ 8,62 trilhões) na economia mundial até 2030, o que representaria 1,6% do PIB mundial, além de retirar 7,6 milhões de pessoas da extrema pobreza e mais 32 milhões da pobreza moderada no mesmo período. Xi Jinping, presidente da China, tem exortado os países ocidentais a participar do projeto "para o melhoramento do progresso humano".
Da esquerda para a direita: o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg; a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen; o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida; o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau; o presidente dos EUA, Joe Biden; o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz; o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson; e o presidente da França, Emmanuel Macron. Os representantes posam para uma foto de grupo dos líderes do G7 durante cúpula da OTAN, em Bruxelas, Bélgica, 24 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2022
Panorama internacional
Pequim acusa G7 de 'criar divisão' após críticas à política comercial chinesa
Na opinião do jornal, a Parceria para Infraestrutura e Investimento Globais (PGII, na sigla em inglês) do G7 está "forçando os governos a escolher entre o Ocidente e a China", quando "a estabilidade global, o desenvolvimento e a prosperidade estão nas nações que trabalham em conjunto, não competindo e desacoplando".
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала