Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

'É fisicamente impossível substituir as entregas de energia russas', diz chanceler da Hungria

© AP Photo / Darko VojinovicPeter Szijjarto, ministro das Relações Exteriores da Hungria, durante coletiva de imprensa com Nikola Selakovic, seu homólogo sérvio (fora da foto), em Belgrado, Sérvia, 7 de fevereiro de 2022
Peter Szijjarto, ministro das Relações Exteriores da Hungria, durante coletiva de imprensa com Nikola Selakovic, seu homólogo sérvio (fora da foto), em Belgrado, Sérvia, 7 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2022
Nos siga noTelegram
Hungria não consegue substituir as importações de combustíveis russos por nada, segundo declarou Peter Szijjarto, ministro das Relações Exteriores e Comércio do país da Europa Central, ante as pressões da UE para Budapeste rejeitar os fornecimentos russos.
Em declarações à CNN, o chanceler ressaltou que será fisicamente impossível substituir as entregas de energia russas, caso cessem, uma vez que foi a geografia que determinou a infraestrutura existente.
"Em caso de deixarmos de receber os fornecimentos, seria fisicamente impossível fornecer ao país petróleo suficiente. É uma questão matemática", constatou Szijjarto.
O ministro especificou que para mudar as longas rotas de fornecimento existentes, do leste ao oeste, por novas que vão do norte ao sul, precisará de muito dinheiro e de cinco a sete anos, portanto é impossível para Budapeste trocar as fontes de entregas em um dia.
O presidente russo, Vladimir Putin, com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, em Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Panorama internacional
Hungria: 'Europa estará do lado perdedor' se não desistir de mais sanções contra Rússia
"A questão é saber se o gás e o petróleo russos podem ser substituídos para que o seu próprio país continue funcionando, e a nossa resposta neste momento é 'não'; não porque não o queiramos, mas porque é fisicamente impossível", sublinhou.
Caso contrário, "obrigaríamos o povo húngaro a pagar o preço da guerra, que não é da sua responsabilidade, nem da sua vontade de explodir", constatou.
A União Europeia já aprovou seis pacotes de sanções antirrussas pela operação militar de Moscou na Ucrânia. No início de junho, o Conselho Europeu anunciou a adoção oficial do sexto pacote que prevê um corte de 90% das importações do petróleo russo para o final de 2022.
A Hungria se opôs a algumas cláusulas do pacote e exigiu que sejam realizadas negociações quanto ao embargo petrolífero.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала