Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Boris Johnson admite renunciar se perceber que está sem condições de governar

© AFP 2022 / GABRIEL BOUYSO primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em Madri, em 30 de junho de 2022
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em Madri, em 30 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2022
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu que poderia renunciar se percebesse que está sem condições de continuar governando, em meio à crise de seu mandato, com a saída de diversos ministros.

"É claro que, se houvesse circunstâncias em que eu percebesse que o governo não poderá continuar [funcionando] e cumprir o mandato que nos foi dado, eu sairia", disse ele, citado pela emissora Sky News, no Parlamento britânico, nesta quarta-feira (6).

O primeiro-ministro aproveitou o momento para pedir a membros do governo que não renunciassem, após debandada de altos funcionários nesta semana. Mais de 20 funcionários do governo já renunciaram em protesto à liderança de Johnson.

"Exatamente quando os tempos estão difíceis, quando o país está enfrentando pressão econômica e orçamentária, quando a Europa está travando a maior guerra em 80 anos, agora se espera que o governo continue funcionando em vez de se dissolver", disse Johnson.

Segundo o chefe do governo, agora é necessário "continuar trabalhando e focar nas coisas que são importantes para a população".
© AFP 2022 / Mídia AssociadaPrimeiro-ministro britânico, Boris Johnson, fala em sessão na Câmara dos Comuns, em Londres, em 15 de junho de 2022
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson fala durante a sessão semanal das Questões do Primeiro-Ministro (PMQs, na sigla em inglês), na Câmara dos Comuns, em Londres, em 15 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2022
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, fala em sessão na Câmara dos Comuns, em Londres, em 15 de junho de 2022. Foto de arquivo
Poucas horas antes, deputados do Partido Conservador, o mesmo de Johnson, expressaram sua desconfiança em relação ao líder e propuseram aprovar nova moção de desconfiança. Mas o primeiro-ministro manteve sua intenção de preservar o cargo.
Há um mês, em 6 de junho, Johnson foi submetido a uma votação de moção, entre os parlamentares de seu partido, que definiria se ele deveria ou não ser substituído. Dos 359 conservadores no Parlamento britânico (de um total de 650 congressistas), 211 votaram a favor de Johnson e 148 votaram contra.
Porém, na terça-feira (5), a crise do governo se intensificou, após o ministro das Finanças, Rishi Sunak, e o secretário de Estado da Saúde, Sajid Javid, anunciarem o rompimento e a saída do governo.
Já nesta quarta-feira (6), outros 26 altos funcionários britânicos seguiram os colegas e deixaram seus cargos.
Soldados britânicos atuando na Síria - Sputnik Brasil, 1920, 05.07.2022
Panorama internacional
Plano do Reino Unido de reduzir tropas 'vai quebrar' o resto do Exército britânico, alerta general
A confiança dos funcionários em Johnson se deteriorou após denúncias de assédio sexual contra o deputado Christopher Pincher, vice-líder da bancada conservadora.
Com a revelação do caso, Pincher renunciou ao cargo em 30 de junho, após ser nomeado em fevereiro por Johnson. Muitos parlamentares alegam que o primeiro-ministro já tinha conhecimento de incidentes semelhantes de Pincher no passado.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала