- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Membros da oposição venezuelana residentes na Colômbia tentam deixar país por medo de perseguição

© AFP 2022 / Daniel MunozGustavo Petro e Francia Márquez comemoram na Movistar Arena, em Bogotá, após vitória na eleição presidencial colombiana
Gustavo Petro e Francia Márquez comemoram na Movistar Arena, em Bogotá, após vitória na eleição presidencial colombiana - Sputnik Brasil, 1920, 05.07.2022
Nos siga noTelegram
Segundo mídia, ex-funcionários e líderes contrários ao governo de Maduro que foram para território colombiano estão com medo de serem perseguidos, espionados ou até sequestrados depois da chegada de Petro à presidência do país.
Figuras da oposição venezuelana – como ativistas, líderes partidários, ex-funcionários do governo e desertores das Forças Armadas venezuelanas –, que transformaram a Colômbia em sua sede não oficial nos últimos anos, dizem que a eleição de Gustavo Petro como o primeiro presidente de esquerda do país os coloca em risco, e eles planejam sair, de acordo com o jornal Valor Econômico.
"Eu me sinto muito inseguro na Colômbia agora. Os laços de Maduro com o novo presidente não são segredo. Temos certeza de que o governo venezuelano vai querer que os membros da resistência e os militares sejam entregues. Somos uma ameaça" afirmou Pablo Parada, um ex-líder estudantil e prisioneiro político de 32 anos citado pela mídia.
No dia 28 de junho, Petro concedeu uma entrevista ao El País no qual foi indagado se agora a Colômbia extraditaria exilados venezuelanos e deu como resposta: "Não, de jeito nenhum", entretanto, seus planos para eles não estão claros.
De acordo com a mídia, a figura da oposição venezuelana mais proeminente em busca de opções de saída é o ex-presidente da Assembleia Nacional Julio Borges, que fundou o partido Primero Justicia e está em Bogotá há mais de quatro anos. O governo de Caracas emitiu um mandado de prisão contra ele, acusando-o de ajudar a planejar um ataque com drone explosivo contra Maduro.
O candidato presidencial Gustavo Petro, da coalizão Pacto Histórico, gesticula durante uma reunião em Bogotá, Colômbia, quarta-feira, 8 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.06.2022
Panorama internacional
Após conversa com Maduro, Petro anuncia que Colômbia e Venezuela vão reabrir fronteiras
Em Bogotá, Borges vai para as reuniões de bicicleta e faz caminhadas no parque, uma mudança radical em relação a Caracas, onde andava em veículos à prova de balas escoltados por guarda-costas. Segundo pessoas que o conhecem, ele teme que, quando Petro estiver no cargo, enfrente novas ameaças.
Outra figura-chave que também quer sair é Carlos Paparoni, um parlamentar venezuelano de 33 anos que liderou várias investigações sobre corrupção e crime organizado ligadas à administração de Maduro.
Enquanto esses políticos proeminentes buscam empregos ou asilo politico em Miami, Washington ou Madri, a maioria dos outros – ativistas de nível médio e desertores do Exército – enfrentam escolhas mais desesperadas. O ex-líder estudantil Parada, por exemplo, diz que pretende cruzar a perigosa floresta que separa a Colômbia do Panamá a pé.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала