Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Após serem expulsas pelo Mali, forças francesas se deslocam para o Níger

© AFP 2022 / Dominique FagetSoldado francês da Operação Barkhane em aeroporto militar no Níger
Soldado francês da Operação Barkhane em aeroporto militar no Níger  - Sputnik Brasil, 1920, 05.07.2022
Nos siga noTelegram
Depois de quase uma década no Mali, a França continua a operação para retirar suas tropas do país após ser expulsa pela junta militar maliana.
Em entrevista à Rádio França Internacional (RFI), o comandante da Operação Barkhane, o general francês Laurent Michon, falou sobre o futuro das tropas da França no Mali.
Embora tenha rejeitado qualquer fracasso durante a ocupação de uma década que conviveu com diversos golpes de Estado no país, Michon disse que é preciso mudar o modo de operação.
Segundo ele, as forças francesas no Sahel mudarão o seu modo de operação, agindo "em apoio" às forças locais, em vez de substituí-las. O general afirmou que a "força agora tem pouco mais de 2 mil homens".
O presidente Emmanuel Macron anunciou a retirada em fevereiro, dizendo que a Operação Barkhane continuaria em outros lugares do Sahel, mas de forma menor e reconfigurada.
"Cerca de 2.500 soldados franceses" permanecerão no Sahel quando a operação terminar, "mas isso depende sobretudo da vontade dos Estados africanos", disse Michon.
Estas operações serão "determinadas de forma mais estrita por pedidos dos países africanos, e assumirão a forma de 'apoiar' e não 'substituir' os militares locais", acrescentou.
O presidente interino do Mali, coronel Assimi Goita, após colocar uma coroa de flores em monumento, durante a cerimônia de comemoração do dia nacional do Exército, em Kati, no Mali, em 20 de janeiro de 2022. - Sputnik Brasil, 1920, 05.05.2022
Panorama internacional
Exército francês tenta encobrir valas comuns no Mali, diz membro do Conselho Nacional de Transição
Quanto à retirada, a França já deixou suas bases em Gossi e Menaka, no centro de Mali, e atualmente está se desvinculando de um acampamento em Gao, disse o general. "Ao todo, 4 mil contêineres e pouco menos de mil veículos devem deixar o Mali", comentou.
Ele explicou que, com a retirada das tropas, a França montou um "quartel-general de parceria" na capital do Níger, Niamey.

'Não é um fracasso'

A França interveio no Mali em 2013 para conter uma revolta apoiada por jihadistas no norte do país. No ano seguinte, lançou a Operação Barkhane mais ampla entre cinco aliados do Sahel, todas ex-colônias francesas - Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger.
Após quase uma década, o Mali continua com problemas com terrorismo, como apontou Michon em sua entrevista, e atualmente é governada por uma junta militar que se opõe a presença dos franceses na região.
Questionado sobre o comboio francês atacado de forma bastante violenta pela população na última semana, o general respondeu que, "infelizmente, a manipulação de populações é sempre possível ou mesmo provável. Na verdade, até foi comprovado, inclusive no Mali, por alguns que tentam manipular uns aos outros fazendo as pessoas acreditarem em enormes mentiras como: estamos armando os GATs [grupos terroristas armados]".

"Do meu ponto de vista, o desligamento [do Mali] não é um fracasso", disse Michon.

No seu auge, a missão tinha 5.100 soldados em toda a região, com forças de poder aéreo, transporte e reconhecimento. Cinquenta e oito soldados franceses morreram em Barkhane e sua missão antecessora, Serval.
Presidente interino do Mali, coronel Assimi Goita. - Sputnik Brasil, 1920, 28.04.2022
Panorama internacional
Mali acusa França de 'subversão' e violação de seu espaço aéreo para 'espionagem'
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала