Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Rússia pode tomar medidas de resposta ao cerco de Kaliningrado pela OTAN, diz jornal turco

© Sputnik / Aleksei Danichev / Abrir o banco de imagensСomplexo histórico-etnográfico em Kaliningrado
Сomplexo histórico-etnográfico em Kaliningrado - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Nos siga noTelegram
O ingresso da Suécia e da Finlândia na Aliança Atlântica pode transformar o mar Báltico em um "mar da OTAN", mas a Rússia tomará medidas de resposta, escreve o colunista Sernur Yassikaya no jornal turco Yeni Safak.
O jornalista ressalta que, após a expansão da Aliança, todo o continente europeu, do norte ao sul, ficará sob a sua influência, o que não acontecia nem mesmo durante os tempos da Guerra Fria.

"Se a Finlândia e a Suécia se tornarem membros da OTAN, Kaliningrado, a única parte da Rússia na região do Báltico, será completamente cercada pelos países da Aliança Atlântica e o mar Báltico se tornará um mar da OTAN", escreve Yassikaya.

O jornalista sugere que, em resposta às ações da OTAN, Moscou poderia aumentar sua presença no mar Báltico, bem como no mar do Norte. Mas as consequências da expansão da aliança podem afetar toda a estrutura geopolítica do mundo.
"Isso pode servir de pretexto para uma escalada da tensão entre Moscou e os países ocidentais, bem como para um aumento na cooperação militar da Rússia com a China. A expansão da OTAN e a aproximação militar entre Moscou e Pequim podem provocar uma segunda Guerra Fria", opina o especialista.
Nesta quarta-feira (29) a OTAN convidou formalmente a Finlândia e a Suécia a aderirem à aliança durante a cúpula de Madri. Anteriormente, a Turquia bloqueou o início do processo. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que Ancara não poderia dizer "sim" às adesões da Finlândia e da Suécia por não poder acreditar nas garantias dadas sobre as relações com representantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo), proibido na Turquia.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin (à direita), conversa com seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, em Moscou, no dia 5 de março de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2022
Panorama internacional
Pacto entre Turquia, Suécia e Finlândia: um obstáculo para relações entre Ancara e Moscou?
Contudo, nesta terça-feira (28), a Turquia, a Suécia, a Finlândia e a OTAN assinaram um memorando trilateral com dez pontos, apoiando a adesão dos países nórdicos.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала