Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Hungria precisa agora aumentar 'significativamente' seu potencial militar, diz Viktor Orbán

© AP Photo / Manu FernandezPrimeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, na cúpula da OTAN em Mardi, Espanha, 30 de junho de 2022
Primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, na cúpula da OTAN em Mardi, Espanha, 30 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, declarou hoje, sexta-feira (1º), que Budapeste deve já agora aumentar suas capacidades militares.

"Se quisermos paz, precisamos agora aumentar significativamente as nossas capacidades militares", disse Orbán à emissora nacional Kossúth.

No final de fevereiro, o premiê do país afirmou que os policiais e militares húngaros começaram o trabalho na fronteira húngaro-ucraniana. Em março, Orbán relatou que não vai entregar armas para a Ucrânia, assinando um decreto respectivo. O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, afirmou posteriormente que Budapeste não deixará passar entregas de armas através de seu território.

Hungria não vai considerar propostas que levam à perda de gás russo

Além do assunto do fortalecimento militar, o primeiro-ministro levantou o tema da energia. De acordo com suas palavras, a nação não está disposta a discutir propostas que poderiam levar à redução de acesso ao gás russo.

"Não discutimos propostas que prejudicariam o nosso acesso ao gás russo. Não estamos procurando um compromisso, simplesmente não há nada para nós discutirmos", constatou ele.

O presidente russo, Vladimir Putin, com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, em Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Panorama internacional
Hungria: 'Europa estará do lado perdedor' se não desistir de mais sanções contra Rússia
Após o início da operação especial russa na Ucrânia, o Ocidente endureceu a pressão sancionatória contra Moscou. Ante a crise ucraniana, diversos países do Ocidente suspenderam as entregas de gás e petróleo russos e declaram estar à procura de reduzir a dependência da energia russa. Porém, a Hungria é um dos países profundamente dependentes do gás e petróleo russos, e as autoridades dela se opõem às sanções contra a Rússia.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала