Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA devem parar toda a 'interação oficial com Taiwan', adverte China

© AP Photo / Liu ZhengO porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em coletiva de imprensa no escritório do Ministério das Relações Exteriores, Pequim, 6 de abril de 2022
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em coletiva de imprensa no escritório do Ministério das Relações Exteriores, Pequim, 6 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2022
Nos siga noTelegram
Pequim instou os EUA a deixarem de apoiar Taipé e cumprirem o princípio de Uma Só China e os comunicados conjuntos sino-americanos, de forma a não apoiar as "forças separatistas da 'independência de Taiwan'".
Os EUA devem cessar toda a interação oficial com Taiwan, que envia um "sinal errado" aos "separatistas taiwaneses", disse na terça-feira (28) o Ministério das Relações Exteriores da China.
Zhao Lijian, porta-voz do ministério, foi solicitado a comentar a Iniciativa EUA-Taiwan no Comércio do Século XXI, um programa bilateral anunciado no início de junho, que Washington disse ser "destinado a desenvolver formas concretas de aprofundar a relação econômica e comercial" entre os EUA e Taiwan.
"A China se opõe firmemente a todas as formas de interação oficial entre a região de Taiwan e países que tenham laços diplomáticos com a China, incluindo a negociação ou a conclusão de acordos com implicações de soberania e de natureza oficial", reiterou ele em um briefing aos jornalistas.
"Há apenas uma China no mundo. Taiwan é uma parte inalienável do território da China. O governo da República Popular da China é o único governo legal que representa toda a China", sublinhou Lijian, apelando aos EUA para que sigam o princípio de Uma Só China e as estipulações dos comunicados conjuntos sino-americanos que levaram ao estabelecimento das relações entre os dois países.
Da esquerda para a direita: presidente chinês, Xi Jinping; presidente russo, Vladimir Putin; primeira-dama brasileira, Michelle Bolsonaro; e presidente brasileiro, Jair Balsonaro, durante um concerto para os líderes do BRICS no Palácio Itamaraty, em Brasília, 13 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2022
Panorama internacional
China faz publicação 'debochando' do G7
Os EUA, disse Zhao, devem "parar todas as formas de interação oficial com Taiwan, parar de negociar acordos com implicações de soberania e de natureza oficial, e se abster de enviar qualquer sinal errado para as forças separatistas da 'independência de Taiwan'".
"As autoridades do DPP [Partido Progressista Democrático, partido governista de Taiwan] precisam desistir da ideia de que poderiam buscar a independência com o apoio dos EUA, caso contrário, quanto mais alto eles pularem, mais duramente cairão", advertiu.

China sobre a OTAN

O porta-voz também chamou a decisão da OTAN de rotular a China como um "desafio sistêmico" um "produto da Guerra Fria" com um "conceito de segurança ultrapassado", usado como "uma ferramenta para um determinado país manter a hegemonia".
"O chamado novo conceito estratégico da OTAN é apenas 'vinho velho em uma nova garrafa'. Ela ainda não mudou a mentalidade da Guerra Fria de criar inimigos imaginários e confrontos em bloco", disse o porta-voz.
As tensões China-EUA sobre Taiwan aumentaram durante a presidência de Joe Biden em meio às suas repetidas promessas de acorrer à defesa da ilha se fosse "invadida" pela China, em uma continuação da política da administração de Donald Trump (2017-2021), que aumentou o número de visitas de funcionários dos EUA a Taipé e elevou a ajuda e treinamento militar do território autogovernado.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала