Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

OTAN rotula China de 'desafio sistêmico' em nova descrição de suas diretrizes políticas, diz mídia

© AP Photo / Olivier MatthysBandeiras dos países-membros da OTAN em Bruxelas, na Bélgica
Bandeiras dos países-membros da OTAN em Bruxelas, na Bélgica - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2022
Nos siga noTelegram
Em nova descrição de suas diretrizes políticas, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) vai categorizar a China como um "desafio sistêmico" à aliança militar, segundo reportou mídia na segunda-feira (27).
As novas diretrizes versando sobre a China foram reveladas pela agência Bloomberg, citando fontes familiarizadas com o assunto.
A OTAN também destacará o aprofundamento da parceria da China com a Rússia, segundo informa a reportagem.
Intitulado "Conceito Estratégico", o documento delineará as prioridades dos membros da aliança para a próxima década. Ele deve ser assinado pelos líderes da OTAN durante o próximo encontro dos membros, em Madri, na Espanha, entre 28 e 30 de junho.
A versão anterior, de 2010, não mencionava a China e classificava a Rússia de parceira — designação que deve ser alterada nesta próxima edição.
Sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em Paris, na França (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 25.06.2022
Notícias do Brasil
Interesse europeu em enfraquecer BRICS pode facilitar avanço de acordos com Brasil, diz analista
A mudança dos termos já era prevista nos últimos dias, segundo informou um funcionário do alto escalão do governo dos EUA. De acordo com ele, aliados da OTAN revelariam novos compromissos de postura e de força para incrementar a aliança militar.

Ocidente e plano de contenção

Mais cedo, a China reagiu ao anúncio do G7 de um plano de US$ 600 bilhões (R$ 3,14 trilhões) para conter a influência da economia chinesa no Ocidente.
Denominada de Parceria para Infraestrutura e Investimento Globais (PGII, na sigla em inglês), a estratégia anunciada durante a última cúpula do G7, na Alemanha, pretende combater a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota, programa de financiamento de infraestruturas mundial chinês.
O presidente Joe Biden, à esquerda, conversa com o presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, à direita, ao chegarem à sede da OTAN em Bruxelas, quinta-feira, 24 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 26.06.2022
Panorama internacional
Biden revela plano de US$ 600 bilhões no G7 para conter a China
Na semana passada, Pequim havia descrito tais iniciativas como uma "abordagem de jogo de soma zero" visando a China. Nesta segunda-feira (27), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, dobrou as críticas.
"A China sempre acolhe todas as iniciativas para promover a construção de infraestrutura global. Não achamos que haja esse problema de iniciativas semelhantes substituindo umas às outras", disse Zhao, segundo informações do South China Morning Post.

"Entretanto, nos opomos à promoção de cálculos geopolíticos sob a bandeira da construção de infraestrutura e palavras e ações que tentam difamar e caluniar a Iniciativa do Cinturão e Rota", afirmou.

Ele também criticou o governo Biden por sua incapacidade de atrair contribuições financeiras suficientes de seus parceiros do G7. "A comunidade internacional quer ver dinheiro real e projetos que realmente beneficiem as pessoas", afirmou o porta-voz.
O entendimento de Pequim é que Washington é o "verdadeiro criador das armadilhas da dívida", pois a "política monetária expansiva, a inovação financeira não regulamentada, as vendas maliciosas e outras ações dos Estados Unidos exacerbaram o fardo da dívida dos países em desenvolvimento".
Destróier USS Benfold num porto do Havaí - Sputnik Brasil, 1920, 27.06.2022
EUA enviam destróier ao mar do Sul da China e elevam tensão com Pequim na região
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала