Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Noam Chomsky aponta derradeiro objetivo do 'jogo' dos EUA contra a Rússia

© AP Photo / J. Scott ApplewhiteEm Washington, um helicóptero chega à Casa Branca levando o presidente norte-americano, Donald Trump, após deixar hospital militar em que Trump foi internado para tratamento contra a COVID-19
Em Washington, um helicóptero chega à Casa Branca levando o presidente norte-americano, Donald Trump, após deixar hospital militar em que Trump foi internado para tratamento contra a COVID-19 - Sputnik Brasil, 1920, 27.06.2022
Nos siga noTelegram
Os EUA estão claramente determinados a continuar a enfraquecer a Rússia, disse Noam Chomsky, filósofo, linguista e ativista político norte-americano, em entrevista ao jornal The Nation, comentando a situação na Ucrânia.
"Eles [os EUA] estão claramente determinados a continuar a debilitar a Rússia", afirmou.
Ele recordou que em 2014 os EUA e a OTAN começaram a fornecer armamento à Ucrânia, a conduzir exercícios militares conjuntos e a implementar medidas para integrar o país na aliança.
"É evidente que tudo isso foi feito deliberadamente com o propósito de provocação", observou Chomsky. Esse processo acelerou após a eleição de Joe Biden como presidente dos EUA, salientou ele.
O Departamento de Estado reconheceu que, antes do início da operação especial russa de desmilitarização e desnazificação da Ucrânia, os EUA se recusaram a discutir quaisquer preocupações de Moscou sobre questões de segurança.
"Nós [os EUA] jogamos um jogo onde as vidas dos ucranianos estão em risco, assim como a própria existência da civilização, com o objetivo de enfraquecer a Rússia e garantir que ela é suficientemente debilitada. Não há fundamentos morais para isso", explicou.
Anteriormente, o antigo diplomata de alto escalão estadunidense Chas Freeman, em um artigo para o portal The Grayzone, observou que os EUA estão travando na Ucrânia uma guerra não declarada contra a Rússia para preservar sua hegemonia no mundo.
Da esquerda para a direita: o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o chanceler alemão Olaf Scholz, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao lado do presidente dos EUA, Joe Biden, se dirigem para o local da foto oficial dos líderes na Cúpula do G7, em Elmau, sul da Alemanha, 26 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 26.06.2022
Panorama internacional
Em reunião do G7, líderes concordam em apoiar Kiev indefinidamente, diz mídia
Ele acredita que as ações de Washington não deixam Moscou outra opção senão usar força. Os EUA vão lutar contra a Rússia "até o último ucraniano", disse Freeman.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала