Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Parlamentares equatorianos formalizam pedido para debater impeachment de Lasso

© AFP 2022 / Assembleia Nacional do EquadorO presidente do Equador, Guillermo Lasso, gesticula durante tomada de posse na Assembleia Nacional do Equador, em 24 de maio de 2021 (foto de arquivo)
O presidente do Equador, Guillermo Lasso, gesticula durante tomada de posse na Assembleia Nacional do Equador, em 24 de maio de 2021 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Nos siga noTelegram
Um grupo de deputados da Assembleia Nacional do Equador, da bancada União pela Esperança, formalizou nesta sexta-feira (24) um pedido para debater o impeachment do presidente do país, Guillermo Lasso.
O documento, apresentado ao presidente da Casa legislativa, contou com 47 assinaturas.
ATENÇÃO | Com 47 assinaturas, a Bancada da UNES pede ao presidente da Assembleia Nacional, Virgilio Saquicela, que dê início ao processo de destituição de Guillermo Lasso como presidente da República.
O Equador vive uma onda de protestos de grupos indígenas desde o dia 13. Os manifestantes criticam políticas econômicas de Lasso, como a concessão de licenças de mineração em terras indígenas, e os preços dos combustíveis no país. Além disso, eles pedem mais tempo para pequenos agricultores pagarem empréstimos bancários.
Os grupos indígenas têm bloqueado ruas ao redor do país para manifestarem suas demandas.
© AP Photo / Dolores OchoaManifestantes protestam contra o governo de Guillermo Lasso com uma barricada em chamas, em Quito, no Equador, em 20 de junho de 2022
Manifestantes protestam contra o governo de Guillermo Lasso com uma barricada em chamas, em Quito, no Equador, em 20 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Manifestantes protestam contra o governo de Guillermo Lasso com uma barricada em chamas, em Quito, no Equador, em 20 de junho de 2022. Foto de arquivo
Em resposta, no último sábado (18), o presidente equatoriano declarou estado de exceção em três províncias do país: Imbabura, Cotopaxi e Pichincha (onde está a capital, Quito), regiões que registraram os maiores protestos. A medida tem validade de 30 dias.
"Pedi diálogo, e a resposta foi mais violência. Não há intenção de encontrar soluções", afirmou Lasso, em discurso pela televisão, no sábado (18).
Na última terça-feira (21), o ex-chanceler equatoriano Ricardo Patiño afirmou que haverá um "banho de sangue" no país se o presidente não atender às demandas dos povos indígenas e decidir não renunciar ao cargo.
"Infelizmente pode ocorrer um banho de sangue [caso Lasso não queira renunciar ou cumprir as exigências dos povos indígenas]. Isso é muito grave, porque as organizações que estão à frente da greve disseram que, se o presidente não corrigir as políticas, eles vão continuar com suas medidas, e é claro que isso significa uma situação muito séria para o país", disse o ex-chanceler à Sputnik.
O candidato presidencial Gustavo Petro, da coalizão Pacto Histórico, gesticula durante uma reunião em Bogotá, Colômbia, quarta-feira, 8 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.06.2022
Panorama internacional
Após conversa com Maduro, Petro anuncia que Colômbia e Venezuela vão reabrir fronteiras
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала