Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

MRE russo: UE gera 'monopolização geopolítica' para conter Rússia com candidatura de Kiev e Chisinau

© Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia / Abrir o banco de imagensMaria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, durante briefing em Moscou, Rússia
Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, durante briefing em Moscou, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Nos siga noTelegram
Para chancelaria russa, bloco europeu promove uma linha para "captura geopolítica" no espaço da Comunidade de Estados Independentes (CEI), e alerta sobre consequências negativas que o status de candidatos da Ucrânia e Moldávia ao bloco podem gerar.
Ao conceder à Ucrânia e à Moldávia o estatuto de países candidatos à União Europeia, Bruxelas pretende monopolizar territórios no espaço da CEI para conter a Rússia, declarou Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo nesta sexta-feira (24).
"Ao decidir conceder o status de países candidatos à Ucrânia e à Moldávia, a UE, de fato, confirmou que mantém a linha para a captura geopolítica ativa no espaço da CEI e seu uso para 'conter' a Rússia", afirmou a autoridade.
Zakharova também alertou para "consequências negativas" da decisão de Bruxelas sobre Kiev e Chisinau.
Chanceler russo, Sergei Lavrov fala durante coletiva de imprensa ao lado do ministro das Relações Exteriores da Eritreia, Osman Saleh, em Moscou, Rússia, 27 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Panorama internacional
Lavrov: UE virou uma união antirrussa exigindo que outros se envolvam em decisões contra Moscou
Ao mesmo tempo, a representante afirmou que a abordagem agressiva do bloco europeu de "expansão desenfreada", carrega potencial para o surgimento de novas e mais profundas linhas de divisão e crises.
"Uma abordagem tão agressiva da UE obviamente traz o potencial para o surgimento de novas e mais profundas linhas de divisão e crises na Europa como um todo. Tal política de Bruxelas não tem nada a ver com as necessidades reais dos habitantes da Ucrânia e os países do bloco", afirmou.
Na visão da diplomata, "a UE 'investe' ainda mais na continuação das hostilidades na Ucrânia, que – já com o seu novo estatuto de país candidato ao bloco – vai redobrar as suas exigências na próxima cúpula da OTAN que terá lugar em Madrid entre 28 e 30 de junho, que sejam aumentados os suprimentos de armas e equipamentos militares", ponderou.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала