- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

MPF cita 'possível interferência ilícita' de Bolsonaro na investigação contra Milton Ribeiro

© Folhapress / Claudio ReisO presidente Jair Bolsonaro (PL), acompanhado do ministro da Educação, Milton Ribeiro, participa de cerimônia de assinatura da portaria do piso salarial para os professores no país, 22 de fevereiro de 2022
O presidente Jair Bolsonaro (PL), acompanhado do ministro da Educação, Milton Ribeiro, participa de cerimônia de assinatura da portaria do piso salarial para os professores no país, 22 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Nos siga noTelegram
Órgão detectou através vazamento sobre a operação através e áudio encontrado com o ministro e decidiu encaminhar o caso ao STF.
De acordo com O Globo, o Ministério Público Federal apontou que houve indícios de vazamento da operação da Polícia Federal contra o ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, deflagrada na última quarta-feira (22).
Além disso, uma "possível interferência ilícita por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro, nas investigações" pode ter acontecido e, portanto, o MPF solicitou o envio do caso ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Solenidade de Valorização dos Professores da Educação Básica, 4 de fevereiro de 20 - Sputnik Brasil, 1920, 22.06.2022
Notícias do Brasil
Bolsonaro muda tom sobre Ribeiro e aliados definem prisão do ex-ministro como 'pior momento'
No entanto, o Ministério Público não apresentou detalhes da prova encontrada. Esse indício de vazamento teria sido apontado em um áudio encontrado com o ex-ministro.
O juiz federal, Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, acolheu o pedido para enviar ao Supremo a investigação contra Ribeiro. De acordo com a decisão, o pedido foi feito pois foi "verificada a possível interferência nas investigações por parte de detentor de foro por prerrogativa de função no Supremo".
Com isso, caberá ao STF e à Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar as provas para avaliar se a investigação deverá permanecer no Supremo ou se volta à primeira instância.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала