Porta-aviões dos EUA não estão preparados para atingir alvos costeiros da Rússia e China, diz jornal

© Foto / Marinha dos EUAImpressão artística norte-americana do porta-aviões CVN 79 John F. Kennedy
Impressão artística norte-americana do porta-aviões CVN 79 John F. Kennedy - Sputnik Brasil, 1920, 21.11.2021
Nos siga noTelegram
Rússia possui armas capazes de manter os porta-aviões dos EUA a uma distância da costa suficiente para que esses navios não sejam capazes de atingir alvos terrestres, disse Jerry Hendrix, capitão aposentado da Marinha norte-americana.
"China e Rússia desenvolveram armamentos que impedem o inimigo de alcançar uma determinada área, e que provavelmente manterão os porta-aviões [dos EUA] a uma distância de 1.000 milhas [aproximadamente 1.800 km], fora do alcance [dos caças-bombardeiros] F/A-18", aponta ex-capitão em um artigo de opinião publicado no The Wall Street Journal.
O militar acrescentou que os caças de 5ª geração dos EUA F-35B e F-35C, que serão entregues aos militares, conseguem percorrer uma distância de aproximadamente 400 e 625 milhas marítimas respectivamente.
A questão do alcance poderia ser resolvida por drones de reabastecimento, que podem decolar dos porta-aviões, sugere Hendrix. No entanto, estes aparelhos não tripulados existem em quantidade insuficiente e, além do mais, conseguem transportar menos combustível do que os meios aéreos tripulados.
Destróier chinês, Type 052D - Sputnik Brasil, 1920, 17.11.2021
China está treinando para atacar porta-aviões, 'afundar e matar ocupantes', segundo relatos
"Este problema é particularmente relevante tendo em conta os planos da Marinha [dos EUA] de continuar a construção de superporta-aviões da classe Gerald R. Ford com um deslocamento de 100 mil toneladas e custo de US$ 13 bilhões [R$ 72,9 bilhões]", ressaltou militar.
Por fim, Hendrix afirmou que, se em um futuro próximo não forem embarcados nos porta-aviões aviões tripulados ou não tripulados de longo alcance, os grupos de ataque de porta-aviões não serão capazes de ter um impacto significativo na contenção da Rússia e China.
Vale ressaltar que recentemente a China construiu maquetes de um porta-aviões e outros navios de guerra dos EUA, possivelmente para praticar "tiro ao alvo", no deserto de Xinjiang, conforme imagens de satélite registradas pela empresa Maxar.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала