EUA manterão presença na Nicarágua após eleição e apoiarão grupos antissandinistas, diz funcionário

© AFP 2022 / Cesar Perez/Presidência da NicaráguaPresidente da Nicarágua, Daniel Ortega, durante o 41º aniversário da Revolução Sandinista em Manágua, Nicarágua. Foto de arquivo
Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, durante o 41º aniversário da Revolução Sandinista em Manágua, Nicarágua. Foto de arquivo - Sputnik Brasil, 1920, 06.11.2021
Nos siga noTelegram
Os EUA supostamente pretendem continuar apoiando grupos antissandinistas na Nicarágua após a eleição presidencial de domingo (7) e já determinaram que, se Daniel Ortega vencer, seu mandato não será considerado democrático.
Um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA disse aos jornalistas na sexta-feira (5) que os EUA manterão sua presença na Nicarágua após a eleição presidencial e pretendem apoiar aqueles que trabalham para restaurar a democracia.
Os Estados Unidos considerarão a Nicarágua uma ditadura se Ortega vencer, afirmando que seu mandato não será considerado democrático, segundo a Reuters.
Os EUA também usarão sua influência em instituições financeiras internacionais contra a Nicarágua e evitarão certas "interações" comerciais consideradas benéficas para o governo nicaraguense, acrescentou o funcionário.
© REUTERS / StringerAdesivos promovendo a candidatura do presidente nicaraguense, Daniel Ortega, em 2006, são exibidos em um mercado em Manágua, Nicarágua, em 3 de novembro de 2021
Adesivos promovendo a candidatura do presidente nicaraguense, Daniel Ortega, em 2006, são exibidos em um mercado em Manágua, Nicarágua, em 3 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Adesivos promovendo a candidatura do presidente nicaraguense, Daniel Ortega, em 2006, são exibidos em um mercado em Manágua, Nicarágua, em 3 de novembro de 2021
Ele disse que o governo da Nicarágua foi "transparente" ao dizer que usará prisioneiros políticos para pressionar, o que os EUA não aceitarão.
Os comentários foram feitos após a Câmara dos Representantes dos EUA aprovar na quarta-feira (3) a lei RENACER, que imporá sanções contra a Nicarágua e seu acesso a recursos financeiros internacionais.
O projeto, que o presidente Joe Biden ainda não assinou, também pede que ele reconsidere a adesão da Nicarágua ao acordo de comércio livre CAFTA, que permite à Nicarágua exportar produtos a preços baixos para os EUA.
Washington se opõe veementemente à Frente Sandinista de Libertação Nacional, liderada por Ortega desde que chegou ao poder em 1979, derrubando a ditadura da família Somoza, apoiada pelos EUA.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала