EUA inventam 'ameaça nuclear chinesa', diz Defesa da China ante último relatório do Pentágono

© REUTERS / Carlos BarriaPrédio do Pentágono em Arlington, Virgínia, EUA (foto do arquivo)
Prédio do Pentágono em Arlington, Virgínia, EUA (foto do arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 05.11.2021
Nos siga noTelegram
Pequim tem protestado contra Washington por ter exagerado sobre a "ameaça chinesa" descrita no relatório do Pentágono apresentado ao Congresso dos EUA.
No início desta semana, o Departamento de Defesa norte-americano apresentou um relatório no qual referiu que a China está expandindo sua força nuclear mais rapidamente do que as entidades oficiais dos EUA previam no ano passado. Segundo esse documento, o número de ogivas nucleares da China poderia aumentar até 700 em seis anos, com a possibilidade de chegar às mil em 2030.
Porém, o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian, criticou a natureza dessa avaliação.
"[O relatório] ignora os fatos e está cheio de preconceitos, contesta a política de defesa nacional e a estratégia militar da China, fabrica a chamada 'ameaça nuclear chinesa' e critica a China injustificadamente por seu fortalecimento nuclear", declarou Wu em um comunicado do ministério.
De igual modo, a autoridade chinesa apontou que Washington tem contribuído bastante para desestabilizar a paz e segurança mundiais, através do fortalecimento de seu arsenal nuclear, operações cibernéticas, e acordos armamentistas, como o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês).
Wu Qian também sublinhou que os EUA fazem parte da aliança de segurança AUKUS - junto com o Reino Unido e a Austrália - que Pequim considera "irresponsável" e violadora dos princípios da não-proliferação nuclear.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала