Ex-assessor de antigo presidente do Afeganistão Ghani: talibãs continuam se vingando dos afegãos

© AP Photo / Wali SabawoonSoldados do Talibã andam em direção aos afegãos que protestam contra o Paquistão, 7 de setembro de 2021
Soldados do Talibã andam em direção aos afegãos que protestam contra o Paquistão, 7 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 23.09.2021
Nos siga noTelegram
Em entrevista exclusiva à Sputnik Afeganistão, o assessor do antigo presidente afegão Ashraf Ghani falou sobre a situação atual no país e sobre o futuro do governo talibã.
Mohammad Mohaqiq era assessor do ex-presidente afegão Ashraf Ghani, que fugiu do país após a tomada do poder pelo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).
Em 7 de setembro, o movimento, que capturou Cabul em 15 de agosto, anunciou o novo governo provisório, composto exclusivamente por membros de suas próprias fileiras, apesar das promessas anteriores de formar um governo inclusivo para todos os afegãos.
Conforme contou Mohammad Mohaqiq, a situação no país permanece grave: "A vingança continua até agora, bem como a hostilidade e a pressão sobre várias camadas da população".
Ele disse ainda que todas as etnias participaram da libertação do país dos estrangeiros. "Enquanto isso, o governo foi criado de forma unilateral".
"Esperávamos que fosse criado um governo inclusivo, conforme todas as discussões que decorreram durante as negociações afegãs: um governo inclusivo que incluísse representantes de todas as etnias e setores da sociedade afegã. Mas isso não aconteceu. Até agora, os talibãs não deram nenhuns passos no sentido da criação de tal governo", apontou o ex-funcionário.
Ele afirmou que os talibãs confiscam as armas e continuam sua pressão em algumas regiões. "Apesar da anistia declarada pelo Talibã, as pessoas que tenham trabalhado nas estruturas anteriores deixaram suas casas e estão vagueando até hoje. Alguns saíram para o Paquistão e Irã."
© AFP 2022 / JAVED TANVEERApoiadores do Talibã celebram a retirada completa de tropas americanas do Afeganistão, Kandahar, 1º de setembro de 2021
Apoiadores do Talibã celebram a retirada completa de tropas americanas do Afeganistão, Kandahar, 1º de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Apoiadores do Talibã celebram a retirada completa de tropas americanas do Afeganistão, Kandahar, 1º de setembro de 2021
Mohaqiq ressaltou que, se os talibãs querem terminar a guerra civil, eles devem demonstrar isso por meio de sua política, em particular, incluir representantes de todas as etnias no governo.
Quanto à resistência em Panjshir, ele disse que "nossos irmãos" afirmam controlar a maior parte das áreas e continuar a resistência.
"Quanto a julgar se a resistência é legítima ou não, eles [as forças da resistência] dizem que estão perseguindo um objetivo legítimo através de suas ações, enquanto nós falamos sobre a criação de um governo abrangente, onde todas as etnias sejam representadas."

Governo deve ser formado através de negociações

O assessor opina que a fuga de Ghani e o fato de ter passado o poder para os talibãs não significa que o novo poder seja legítimo. Por isso, os talibãs devem mostrar sua flexibilidade na formação do novo governo.
"Nas últimas 2-3 semanas de sua gestão, Ghani, com ou sem o consentimento dos EUA, entregou o Exército aos talibãs. Vários condados por dia se renderam ao Talibã sem nenhuma resistência. O governo até ameaçou aqueles que resistissem ao Talibã com uma ação judicial. Ou seja, o governo Ghani entregou indiretamente o país a eles, mas esse não é um caminho legítimo. O governo deve ser reconhecido por todos os representantes do Afeganistão."
"É obvio que o governo que chegou ao poder pela força não vai durar por muito tempo", acrescentou.
Um governo inclusivo, reiterou, deve ser formado através de negociações entre os líderes dos partidos políticos e os talibãs.
"Caso não cheguemos a acordo, então, quer queiramos ou não, a resistência vai começar em todo o Afeganistão."
Ao ser questionado sobre a restauração da Aliança do Norte, que reunia diversos grupos afegãos, Mohammad Mohaqiq disse o seguinte:
"Não lhe chamamos Aliança do Norte. É uma coalizão de chefes de partidos e movimentos políticos que existiram no Afeganistão nos últimos 40 anos. A coalizão será formada para preservar os valores constitucionais, para garantir os direitos dos representantes de todas as etnias e religiões, para criar um governo inclusivo.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала