Morales: Estados Unidos 'sofreram derrota vergonhosa' ante terrorismo e narcotráfico no Afeganistão

© REUTERS / Patricia Pinto Ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Cochabamba, Bolívia, 18 de agosto de 2021
Ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Cochabamba, Bolívia, 18 de agosto de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 17.09.2021
Nos siga noTelegram
O ex-presidente boliviano Evo Morales (2006-2019), denunciou que os EUA fracassaram em sua guerra contra o terrorismo e o narcotráfico no Afeganistão.
Na sexta-feira (17), o ex-mandatário escreveu em sua conta no Twitter: "Durante 20 anos, governantes dos EUA mentiram a seu povo e ao mundo sobre a mal chamada 'guerra contra o terrorismo e o tráfico de drogas' no Afeganistão. Eles gastaram bilhões de dólares, massacraram centenas de inocentes e destruíram uma nação inteira".
Além disso, ele acrescentou:
Apesar de sua propaganda mentirosa na mídia de direita, os EUA sofreram uma derrota vergonhosa em ambos os campos de batalha: nunca derrotaram o terrorismo ou tráfico de drogas. Pelo contrário, multiplicaram os grupos islâmicos radicais e a produção de ópio e heroína.
Na quinta-feira (16), o presidente dos EUA, Joe Biden, enviou um memorando a seu secretário de Estado, Antony Blinken, onde acusa a Bolívia e a Venezuela de terem falhado no cumprimento de acordos internacionais antidrogas, como a Lei de Assistência Exterior (FAA, na sigla em inglês). Ambos os países rejeitaram o relatório de Washington sobre a luta contra o narcotráfico.
Os militantes do movimento Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) retomaram o poder no Afeganistão após duas décadas de intervenção militar estrangeira que chegou ao fim no final de agosto.
Em 30 de agosto, após quase 20 anos de ocupação e mais de 2.400 soldados mortos, os Estados Unidos completaram sua retirada do país centro-asiático com o último avião militar saindo à meia-noite (15h40 no horário de Brasília) do aeroporto de Cabul.
No início de setembro, o Talibã anunciou a composição do governo provisório, no qual nenhuma mulher faz parte, e integrado principalmente por pashtuns e partidários linha-dura. Uma parte dos membros do gabinete, que deveria ser "inclusivo" segundo as promessas iniciais, figuram na lista do Comitê de Sanções 1988 do Conselho de Segurança da ONU.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала