EUA firmam acordo por nova base militar na Micronésia para tentar manter China fora do Pacífico

© Marinha dos EUAPorta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN 71) na Base Naval de Guam
Porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN 71) na Base Naval de Guam - Sputnik Brasil, 1920, 31.08.2021
Nos siga noTelegram
Disputando uma "competição de superpotências" com a China, Washington segue em busca de novas bases militares no Pacífico que possam ser usadas como um diferencial em uma futura batalha.

A última área acordada pelos EUA é a Micronésia, um grupo de arquipélagos do outro lado do mar das Filipinas relativamente à China.

No mês passado em Honolulu, Havaí, o presidente da Micronésia, David Panuelo, manteve conversas de defesa de alto nível com o almirante John C. Aquilino da Marinha dos EUA, comandante do Comando Indo-Pacífico (INDOPACOM, na sigla em inglês) dos EUA, sobre a defesa ampliada e postura de força norte-americana no Pacífico, entre outros assuntos.

"Os Estados Federados da Micronésia e os EUA colaboraram nos planos para uma presença mais frequente e permanente das Força Armadas dos EUA e acordaram em cooperar sobre como será construída essa presença temporária e permanente dentro dos Estados Federados da Micronésia, com o propósito de servir os interesses mútuos de segurança de ambas as nações", informou o governo micronésio.

O comunicado do governo micronésio não revelou detalhes sobre onde a base seria localizada ou de que tipo de instalação se trataria.

Panuelo afirmou que, embora o pequeno país, de 58.000 habitantes, mantenha relações diplomáticas com a China, ele não acredita que a nova base dos EUA vá prejudicar as relações entre os dois países.

"O país faz parte do Tratado de Livre Associação, sendo assim, seremos protegidos pelos EUA", afirmou Panuelo, referindo-se ao acordo alcançado, que permitirá que as tropas norte-americanas operem no território.

A posição estratégica da Micronésia e das ilhas vizinhas do Pacífico não passou despercebida da Defesa dos EUA.

Em setembro de 2019, um relatório realizado pela Rand Corporation mencionou o Tratado de Livre Associação como uma "super-rodovia percorrendo através do coração do Pacífico Norte até a Ásia".

Nos últimos anos, a China aumentou suas atividades no mar das Filipinas, incluindo exercícios com seus porta-aviões e aeronaves de longo alcance.

A região abrange o flanco leste de Taiwan e é necessário atravessá-la se alguém desejar evitar o trânsito disputado ao longo do estreito de Taiwan.

A China também testou na região seus novos mísseis de longo alcance, tais como o Dong Feng-26, que são capazes de alcançar Guam a partir da China.

Anteriormente, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, chamou a atenção para o fato de a China "querer controlar a região do Indo-Pacífico" como parte de sua missão de se tornar um "país proeminente" no planeta.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала