Índia afirma presença naval no mar do Sul da China em meio a oposição dos EUA à 'agressão' de Pequim

© AP Photo / Marinha da ÍndiaHelicópteros pousam em porta-aviões durante exercício naval de Malabar conjunto da Índia, EUA, Japão e Austrália, no mar Arábico do Norte, 17 de novembro de 2020
Helicópteros pousam em porta-aviões durante exercício naval de Malabar conjunto da Índia, EUA, Japão e Austrália, no mar Arábico do Norte, 17 de novembro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 02.08.2021
Nos siga noTelegram
Nova Deli revelou sua participação em exercícios navais com Marinhas de vários países, incluindo no mar do Sul da China, fortemente contestado por diversos Estados.

A Índia anunciou na segunda-feira (2) que uma força-tarefa da Frota Naval Oriental, composta por um destróier de mísseis guiados, uma fragata de mísseis guiados, uma corveta antissubmarino e uma corveta de mísseis guiados, foi implantada por dois meses no mar do Sul da China, sudeste da Ásia e Pacífico Ocidental.

O Ministério da Defesa da Índia disse em uma rara declaração que o destacamento procura sublinhar o "alcance operacional, a presença pacífica e a solidariedade com os países do Sudeste Asiático para garantir a boa ordem no domínio marítimo".

É planejado que os navios de guerra participem de exercícios bilaterais com a Marinha Real da Malásia, Marinha Popular do Vietnã, Marinha das Filipinas, Marinha de Cingapura, Marinha da Indonésia e Marinha Real Australiana. Além de Pequim, as águas do mar do Sul da China são contestadas por vários países, como as Filipinas, Brunei, Malásia e Vietnã.

"Eles também participariam do exercício multilateral Malabar 21 ao lado da Força Marítima de Autodefesa do Japão, da Marinha Real Australiana e da Marinha dos EUA no Pacífico Ocidental."

"Além das escalas regulares nos portos, o grupo-tarefa operará em conjunto com marinhas amigas para construir relações militares e desenvolver a interoperabilidade na condução de operações marítimas", acrescenta a declaração.

Dias antes, Pequim designou a incursão no mar do Sul da China pelo navio HMS Queen Elizabeth britânico, acompanhado por um destróier norte-americano, uma provocação política deliberadamente hostil que poderia "desestabilizar a paz regional".

Os EUA, junto com outros países ocidentais, têm defendido a "liberdade de navegação" no mar do Sul da China, criticando a política de "agressão" da China, que, por sua vez, afirma que Washington e seus aliados procuram conter sua ascensão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала